vida

Hábitos mais saudáveis

Coxinha, esfihas, chocolates e refrigerantes. A escolha do lanche na hora do intervalo das aulas não é sempre saudável. Os…

16 de outubro de 2009 - 21:44

Da Redação

Compartilhe

Coxinha, esfihas, chocolates e refrigerantes. A escolha do lanche na hora do intervalo das aulas não é sempre saudável. Os quitutes oferecidos pelas cantinas das escolas são verdadeiras tentações às crianças e adolescentes do Ensino Fundamental. Durante a fase de crescimento, alguns cuidados com a alimentação são fundamentais. Mas não é só a hora do recreio que pode prejudicar o cardápio diário. As principais refeições do dia como o café da manhã e o almoço também merecem uma atenção especial. Dependendo do horário escolar do estudante, esses hábitos podem variar e influenciar na rotina alimentar.

Manhã
Para as crianças que estudam nesse período, acordar cedo é um dilema. Na intenção de conseguir ficar um pouco mais na cama, elas acordam em um horário próximo ao de sair de casa, sem tempo para fazer um café da manhã reforçado. Além da correria, a falta de tempo não permite que a criança tenha apetite.

A nutricionista Juliana Ribeiro Floripes explica que é mediante essa situação que os problemas começam. “A criança ou o adolescente não deve, jamais, ir à escola em jejum”, afirma.  Segundo Juliana, o período de jejum que o organismo enfrenta durante a noite é grande e o organismo precisa ser reabastecido pela manhã. “Além de causar problemas gástricos, ficar em jejum pode prejudicar o desenvolvimento intelectual do estudante. Com certeza, a criança que tem o hábito de ir à escola sem comer terá um déficit no rendimento escolar”, garante.

Ela indica que em todas as refeições, incluindo o café da manhã, as substâncias como o carboidrato, proteínas e fibras devem estar presentes. O ideal é que, no café da manhã, a criança consuma, pelo menos, um alimento de cada uma dessas classes.  “Algumas sugestões como um pão com queijo, peito de perú, biscoito, bolo caseiro, leite, iogurte e frutas são exemplos de alimentos que contêm esses nutrientes e são ideais para o café da manhã”, comenta. “O importante não é a quantidade, mas a qualidade do que se consome”, complementa.  

Lanche
O intervalo entre o café da manhã e o almoço também precisa ser preenchido. É na hora do recreio que começa o segundo desafio. Levar o lanche de casa ou adquirir os produtos oferecidos pela escola? Independente da escolha, ela precisa refletir hábitos saudáveis para não comprometer a saúde da criança.



Na opinião da nutricionista, o ideal é que o lanche seja preparado em casa, pois a possibilidade dos alimentos serem saudáveis é maior. Se essa for a opção escolhida, os pais têm que saber lidar com um outro desafio: algumas crianças e adolescentes ficam envergonhados e preferem comprar o lanche na cantina. “Às vezes eles se sentem intimidados mediante alguns colegas, que diariamente frequentam a lanchonete da escola. Nessa hora o respaldo familiar é fundamental”, explica. 

Juliana comenta que os pais precisam explicar o motivo pela qual o lanche feito em casa é mais saudável. “Elas entendem e absorvem tudo nessa idade. O que não funciona é a imposição e a proibição, mesmo porque  a criança pode jogar o lanche fora na hora do recreio”, argumenta.

A dica na hora de preparar o lanche é evitar alimentos perecíveis como maionese, por exemplo, e seguir com opções que representem os carboidratos, proteínas e fibras. “Pode ser um pão integral, já que as fibras aumentam a sensação de saciedade, queijo, suco de fruta ou achocolatado”, diz. Em relação ao suco, a nutricionista explica que é necessário armazenar o líquido em um recipiente de cor escura para que os nutrientes da fruta sejam mantidos.

Quando a opção for a cantina da escola, frituras e alimentos gordurosos devem ser evitados. “A melhor opção são os assados. Com exceção dos croissaints, pois essa massa folhada contém  grande quantidade de gordura. “Existem cantinas que oferecem a opção de sanduíches naturais, saladas de frutas e sucos”, comenta. É importante que os pais liberem um dia da semana para o consumo de alimentos  menos saudáveis, que atraem as crianças como salgados prontos, doces industrializados e refrigerantes. “Os pais precisam saber dosar e não proibir o consumo de uma maneira definitiva”, indica.

Tarde
Já para os estudantes que enfrentam a jornada escolar no período da tarde o desafio é diferente. Levando em consideração o crescimento do uso da internet, eles vão dormir cada vez mais tarde e, consequente-mente, levantam da cama quase na hora do almoço. “O ideal é tomar café da manhã,  pois essa é a refeição mais importante do dia. Caso não haja tempo, é importante que antes do almoço a criança coma ou beba algo e não almoce com o estômago vazio”, explica a nutricionista.

Segundo Juliana, o organismo recebe os alimentos de uma forma gradativa e o almoço é uma refeição muito pesada para o desejum, pois apresenta uma carga de gordura alta. “Mesmo que a criança beba apenas um copo de leite, iogurte, ou coma um pedaço de pão, é  melhor comer pouco do que pular o café da manhã antes do almoço”, complementa.

Como os imprevistos acontecem, a nutricionista comenta que, caso não seja possível tomar café da manhã, é mais indicado fazer um lanche reforçado do que almoçar com o estômago vazio. “Pode-se preparar um lanche com  pão, suco e frutas e, quando a criança voltar da escola, oferecer um jantar”, comenta.
 

LEIA TAMBÉM: