Maio Roxo

Doenças Inflamatórias Intestinais: sintomas inespecíficos dificultam diagnóstico

As chamadas DII podem apresentar grandes riscos ao sistema digestivo, porém são pouco conhecidas. Saiba quais são as doenças e como tratá-las

18 de maio de 2019 - 19:00

Ana Carol

Compartilhe

Doenças Inflamatórias Intestinais

Ao longo do ano, diferentes campanhas relacionam uma cor a cada mês com o objetivo de chamar atenção para uma causa. É o caso do Setembro Amarelo e Outubro Rosa, por exemplo.

Agora é a vez do Maio Roxo, que busca, sobretudo, aumentar a visibilidade sobre as Doenças Inflamatórias Intestinais. Elas também conhecidas como DII.

Em 19 de maio, celebra-se o World IBD Day, traduzido como Dia Mundial das DII.

As doenças são inflamações crônicas, sem cura, que apresentam períodos de atividade e interrupção.

Elas podem se manifestar como Retocolite Ulcerativa (RU) ou como Doença de Crohn.

A doutora Bianca Schiavetti, gastroenterologista e presidente do Grupo de Apoio às Doenças Inflamatórias Intestinais da Baixada Santista (GADIIBS), explica o que é e como conviver com esses problemas, visando sempre melhorar a qualidade de vida.

Diagnóstico

Bianca explica que a identificação dos distúrbios é difícil, pois os sintomas são inespecíficos.

Dessa forma, podem ser confundidos com outras doenças, como câncer, diverticulite, doença celíaca, gastrite, hemorroida, intoxicação alimentar, verminose, virose, entre outras.

As inflamações se apresentam de maneira leve, moderada ou grave.

O diagnóstico pode ser feito por meio de endoscopia, colonoscopia, raio X, tomografia, ressonância magnética, ou ainda provas inflamatórias.

Tratamento

Para tratar, é feito o uso de corticoides, antibióticos, salicilatos e imunossupressores. Se o grau da doença for moderado ou grave, pode ser indicada a terapia biológica, para fortalecer o sistema imunológico do paciente.

E ainda, em casos graves e pouco responsivos, é necessária intervenção cirúrgica.

Em quadros severos da RU, por exemplo, pode ser necessário retirar totalmente o cólon, deixando o paciente com colostomia (exteriorização de parte do intestino grosso para eliminação de fezes) definitiva.

Para complementar o tratamento, é indicado seguir uma dieta equilibrada, praticar atividades físicas e controlar o estresse. Além disso, é recomendado interromper o tabagismo, especialmente no caso da Doença de Crohn.

 

Doenças Inflamatórias Intestinais

Arte: Mala

Agravantes

Além dos sintomas apresentados, podem ocorrer manifestações extraintestinais, como doenças articulares, dermatológicas e oculares.

Apesar de poder surgir em qualquer faixa etária e sexo, há maior incidência em pessoas com idade entre 15 e 35 anos.

No Estado de São Paulo, de acordo com estudo recente do gastroenterologista Rodrigo Gasparini, há um leve predomínio de pacientes mulheres.

São 59,70% do sexo feminino, contra 40,30% do masculino. Para a pesquisa, o médico levantou dados de 2012 a 2015.

Nas mulheres, pode haver comprometimento da fertilidade, devido a atividade da doença.

Por outro lado, não há comprovação de que o mesmo aconteça com os homens.

A respeito do fator hereditário, Bianca explica que todo paciente apresenta predisposição genética.

“10% tem histórico familiar. Há de 20 a 50 vezes maior chance entre irmãos, e até 100 vezes mais chance em filhos de ambos os pais com a doença”, completa.

A doutora salienta ainda que existem fatores chamados de “critérios de gravidade”. Eles podem indicar a presença de um problema mais grave.

O diagnóstico feito antes dos 40 anos e necessidade de corticoides na primeira manifestação de infecção representam sinais de alerta.

Programação

Diversas associações, nacionais e internacionais, realizam ações durante o Maio Roxo, visando informar e conscientizar a população sobre as doenças.

Para a Baixada Santista, o GADIIBS programou neste domingo (19) atividades em paróquias de Santos e, em São Vicente, na Reitoria Nossa Senhora do Amparo.

Também serão realizadas ações de panfletagem e esclarecimento em pontos de Santos, além de eventos acadêmicos na região.

Informações adicionais sobre o assunto pelo Facebook ou Instagram.

LEIA TAMBÉM: