Saúde animal

Mesmo no outono, cuidado com pulgas deve ser constante

O parasita pode causar alergia e verminose, interferindo na saúde e bem-estar do cão

21 de março de 2017 - 12:45

Da Redação

Compartilhe

O verão, época em que prevalece a infestação de pulgas em cães, terminou. Mas o cuidado quanto a exposição do animal a este parasita também deve ocorrer nas demais estações, segundo o médico veterinário Eduardo Filetti. “Os cães podem pegar pulgas o ano inteiro, não apenas no verão, por isso o cuidado deve ser constante”, destaca.

Coceira em diferentes regiões do corpo é comum em cães com pulga. Foto: Divulgação/Maurício Teles

Coceira em diferentes regiões do corpo é comum em cães com pulga. Foto: Divulgação/Maurício Teles

A pulga é uma das principais causas de alergia em cachorros. De acordo com o médico, 90% deles têm a Dermatite Alérgica a Picada de Ectoparasitas (DAPE), que causa muita coceira e irritabilidade. E por se tratar de um parasita hematófago — que se alimenta de sangue — o animal pode ficar anêmico.

Além disso, a pulga é hospedeira intermediária do verme Dipylidium caninum, a tênia dos cães. “Quando o cachorro se coça usando a boca ele pode engolir acidentalmente uma pulga e, como consequência, contrai esse verminose. Uma das consequências pode ser prurido no ânus”.

O Dipylidium caninum também é uma zoonose, já que crianças, quando tem animais com infestação em casa, podem acidentalmente engolir pulgas e ter verminose.

Tratamento

Eduardo Filetti explica que os medicamentos antigos e mais tradicionais são ineficientes para o tratamento da pulga e que hoje existem remédios modernos como a coleira antiparasitária, comprimidos e ampolas que dispensam a higienização dos ambientes com produtos específicos.

“Recomendo que o tutor do animal busque orientação do veterinário antes de comprar qualquer medicamento. A automedicação é perigosa”, destaca.

 

LEIA TAMBÉM: