Saúde

Obesidade também já prejudica as crianças

Segundo a OMS, 33% das crianças estão acima do peso no País

04 de junho de 2021 - 19:00

João Pedro Bezerra

Compartilhe

O aumento da obesidade no Brasil tem chamado a atenção, conforme a pesquisa da Vigitel divulgada pelo Ministério da Saúde em 2019. A taxa de pessoas obesas no País passou de 11,8% para 19,8% entre os anos de 2006 e 2018. Até mesmo as crianças tem passado por essa situação, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS): 33% das crianças estão fora do peso no Brasil; sendo que 12,4% dos meninos e 9,4% das meninas lidam com a obesidade.

Na última quinta-feira (3), foi celebrado o Dia de Conscientização contra a Obesidade Infantil. Segundo o médico Joaquim Neto, a obesidade infantil, além de causar problemas relacionados à autoestima, provoca precocemente problemas como distúrbios cardiovasculares, diabetes e descalcificação. Questionado sobre o impacto do isolamento social na obesidade, Joaquim Neto ressaltou que a pandemia da Covid-19 fez com que as pessoas tivessem um ganho de peso, não sendo diferente com as crianças. “A diminuição das atividades ao ar livre e a perda de hábitos alimentares regulares contribuíram para este panorama”, explicou o médico.

A prática de atividades esportivas e a diminuição do horário de lazer nos vídeo games e jogos eletrônicos pode ser uma boa saída para evitar este problema de saúde nas crianças.

Alimentação

Um dos pilares para o combate da obesidade infantil é a alimentação balanceada e o hábito saudável da família.

A nutricionista Giselle Castro afirma que toda criança deve ter uma alimentação equilibrada com proteínas, carboidratos, gorduras, vitaminas, minerais e fibras. “Estes recursos encontramos em abundância na natureza. Dessa forma, o cardápio deverá ser elaborado com receitas adaptadas para o paladar infantil, convidar a criança para participar desde a elaboração do cardápio, compra dos ingredientes e preparo das refeições mostrando que é possível consumir alimentos saborosos e naturais”.

Ela também ressalta a importância dos pais na alimentação dos filhos “Normalmente quando os pais não gostam de determinados alimentos, não oferecem às crianças e privam a introdução deste hábito”. Giselle salientou que alimentos industrializados ou ultraprocessados, ricos em gorduras, sal e açúcar levam a obesidade e problemas como colesterol elevado e hipertensão. Além disso, enfatizou a importância de evitar introduzir o açúcar para menores de 2 anos.

Psicológico

A psicóloga Tassiane Santos enfatiza que a criança ainda não tem consciência do que está consumindo, além de não saber identificar as emoções. “A comida proporciona prazer, alegria e sentimentos”, citou.

Tassiane destacou que um dos motivos que podem levar a obesidade é a ansiedade que está cada vez mais presente nos dias atuais.

A falta de autoestima das crianças obesas é um fator preocupante, haja visto que elas estão na idade de crescimento e dessa forma traumas podem existir.

Um dos mais comuns é o bullying que essas crianças acabam sofrendo na escola, muitas vezes sem intenção dos colegas. Um tratamento psicológico infantil é uma boa dica para quem lida com este problema.

LEIA TAMBÉM: