Sol e saúde

Qual o protetor solar ideal para cada tipo de pele?

Produto indispensável para a manutenção saudável da pele, o protetor é muito mais que um simples cosmético, demandando atenção na hora da compra

05 de fevereiro de 2020 - 13:05

Publieditorial

Compartilhe

Para além da estética, a atenção e os cuidados especiais com a pele são fatores essenciais para a manutenção da boa saúde, sobretudo em períodos ensolarados, como o verão.

Assim sendo, o uso do protetor solar pode ser considerado, ao mesmo tempo, condição simples e indispensável.

Entretanto, diferentemente do consenso, a escolha do cosmético ideal deve ser feita com cautela, levando em consideração diversos elementos.

Seja por indicações, marcas consolidadas ou preços mais em conta, muitas pessoas acabam adquirindo um produto que não seria, em vias técnicas, o mais indicado.

Quando o assunto é bem-estar e saúde, qualquer precaução deve ser completamente considerada.

Com a pele não seria diferente: ao utilizar uma proteção, é recomendado verificar todos os aspectos de composição, bem como as necessidades que o item promete atender.

Diferenças entre os tipos de pele

As características responsáveis por qualificar um determinado tipo de pele são as mesmas causas que definem um protetor como mais ou menos adequado.

É preciso, assim, identificar particularidades específicas para, então, se decidir acertadamente acerca do produto.

Para auxiliar nessa questão, separamos as múltiplas qualidades dermatológicas que interferem na escolha final do protetor solar.

Confira!

 

O protetor solar varia de acordo com cada tipo e tonalidade de pele para apresentar melhores resultados. Foto: Divulgação

Sensibilidade

Peles consideradas mais sensíveis (ou seja, aquelas que ficam irritadas com facilidade) necessitam de um tratamento menos agressivo, de preferência, natural.

Para tanto, a sugestão apresentada por especialistas é a opção por produtos em gel, que possuem óleos de origem orgânica, capazes de proteger a epiderme sem ocasionar nenhum tipo de lesão.

O Aloe Vera é um clássico exemplo.

Oleosidade

Grande vilã para muitas pessoas, a oleosidade não pode ficar de fora no momento de escolher um cosmético.

É preciso, evidentemente, selecionar itens que não possuem gorduras (oil free) e álcool em suas composições e, assim como no tópico anterior, a preferência deve ser por produtos à base de gel, como os séruns e mousses.

Atualmente, diversas marcas disponibilizam linhagens voltadas exclusivamente para esse tipo de pele, visando a prevenção e o tratamento.

Ressecada

Aqueles que possuem uma pele ressecada precisam utilizar produtos que possibilitam, além da proteção ultravioleta, a constante hidratação da cútis.

Novamente, a preferência vai para os compostos elaborados com óleos naturais (os já citados oil free) e água.

As principais marcas do mercado já oferecem protetores com propriedades antioleosidade, capazes de garantir um acabamento mais seco e com aparência mate (sem brilho), além de cumprir a função hidratante.

Tonalidade

As nuances de cor também são condições que devem ser consideradas no momento de escolher o protetor solar ideal — aqui, o fator de proteção torna-se ainda mais importante.

Confira agora as principais indicações para cada tipo de pele:

 

Muito clara

Quem tem a pele bem clarinha sabe que dificilmente ela fica bronzeada, tendendo, quando exposta ao sol, à vermelhidão.

Para evitar sardas, manchas e consequentes desconfortos, é preciso investir em cosméticos com fator de proteção 60, ao menos.

Nesses casos, os fatores mais poderosos (60 a 100) são altamente indicados.

 

 

Clara

Próximas à definição anterior, as peles claras também não costumam ficar bronzeadas — novamente as manchas vermelhas são mais habituais.

Assim sendo, o melhor é buscar cremes em que o FPS varia entre 40 e 50, garantindo, assim, uma proteção mais prolongada.

Morena

Apesar das peles morenas possuírem uma predisposição para o bronzeamento, essa categoria ainda requer proteção.

Os protetores mais indicados são aqueles com fator entre 30 e 40, que permitem, após um período, uma maior exposição ao sol.

Negra

Ao contrário do que muitos pensam, a pele negra também é passível aos problemas ocasionados pela exposição excessiva ao sol, precisando, assim, de proteção contra os raios ultravioleta.

Nesse caso, o mais indicado é utilizar produtos que possuam fator de proteção que varia entre 15 e 30.