Retomada das provas de maratona requer cuidados na área cardiovascular | Boqnews
Foto: Divulgação

Saúde

10 DE DEZEMBRO DE 2021

Retomada das provas de maratona requer cuidados na área cardiovascular

Em menos de um mês, dois atletas amadores morrem em provas da maratona

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

A pandemia da Covid-19 tirou a rotina de atividades físicas de muitas pessoas.

Afinal, o coronavírus trouxe uma sensação de medo e insegurança, deixando boa parte da população em casa.

Entretanto, com a vacinação em massa no País, a prática esportiva e os eventos foram flexibilizados.

A maratona, por exemplo, teve uma grande adesão nesta retomada, sobretudo de atletas amadores e daquelas pessoas que buscam melhorar a saúde.  

Aliás com a pandemia, muitos deixaram de ir ao médico e passaram a ter uma alimentação menos equilibrada. 

Alerta 

A retomada das provas de maratona acendeu um alerta importante.

Em menos de um mês, ocorreram duas mortes em corridas.

A primeira ocorreu na Maratona do Rio de Janeiro (21 km) no dia 14 de novembro.  Um atleta amador passou mal já nos metros finais do trajeto e não resistiu.  

A equipe médica citou que ele teve um mal súbito.

Já no último domingo (5), nos 10 KM Tribuna FM, realizado em Santos, um atleta amador de 31 anos também teve um mal súbito e infelizmente veio a falecer.

Os casos recentes chamaram a atenção dos competidores amadores e daqueles que praticam a prova por diversão. 

 Cardiologista 

Segundo o cardiologista da Santa Casa de Santos, Philipe Saccab toda a pessoa deve passar por exames antes de participar de uma competição esportiva.  

“É preciso ir ao cardiologista. A avaliação é sempre individual, haja visto que existem pessoas que correm, pois são profissionais, outras que estão entrando no esporte ou aqueles que vão apenas caminhar”, frisou.

Philipe Saccab salienta que pessoas sedentárias não podem disputar uma maratona.  

Em relação aos casos de mal súbito, o cardiologista cita que um estudo feito na Maratona de Berlim, na Alemanha, aponta que em cada 10 mil competidores entre profissionais e amadores, um tem complicações mais sérias durante a prova.

Questionado sobre os sinais de infarto, Philipe enfatiza que se a pessoa tiver qualquer dor no peito durante a prova deve parar e procurar uma ajuda médica.  

“Geralmente antes do infarto, as pessoas sentem uma pressão no peitoral. Caso aconteça o mal súbito é fundamental que os primeiros socorros sejam realizados rapidamente, com a massagem cardíaca para tentar reverter o quadro”, citou.  

Além disso, o cardiologista destacou que uma boa alimentação, sem o consumo de bebidas alcoólicas e alimentos gordurosos é essencial na semana de uma maratona.  

Por fim, ele alertou que os esportistas devem ficar ainda mais atentos com a volta das atividades físicas, isso porque a Covid-19 pode deixar sequelas no coração, chegando a um percentual de até 15% dos infectados. 

Dr. Philipe Saccab/Foto: Divulgação

Dados 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), cerca de 400 mil pessoas morrem anualmente no País por problemas cardiovasculares, o que representa 30% dos óbitos no Brasil. 

Assim, aproximadamente 14 milhões de brasileiros têm alguma doença cardiovascular. 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.