Baixada Santista inicia levantamento para identificar quem tem anticorpos | Boqnews

Covid-19

29 DE ABRIL DE 2020

Baixada Santista inicia levantamento para identificar quem tem anticorpos

O estudo Epicobs consiste na aplicação de 10 mil testes, de forma proporcional, a moradores das cidades da Baixada Santista.

Por: Fernando De Maria

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

As nove cidades da Baixada Santista iniciaram levantamento para identificar o percentual da população que já desenvolveu anticorpos, ou seja, pessoas assintomáticas ou com sintomas leves para dimensionar o atual cenário regional do avanço do Covid-19.

Os resultados do primeiro levantamento, que atenderá nesta fase inicial 2.500 pessoas na região – de um total de 10 mil, divididas em quatro etapas, serão divulgados na segunda-feira (4).

O estudo chamado de Epicobs está sendo patrocinado pela Fundação Parque Tecnológico de Santos, com apoio das universidades e prefeituras da região.

As verbas gastas são exclusivas para a compra dos 10 mil testes rápidos.

As demais iniciativas serão gratuitas e colaborativas.

O kit escolhido foi sugerido pela Fundação São Francisco Xavier, por ter maior nível de eficiência.

Com intervalo de duas semanas, as pesquisas prosseguirão em maio (2 pesquisas) e junho (1), totalizando a meta estipulada.

 

Encontro definiu ações para início de pesquisa que busca identificar a circulação do Covid-19 na região. Foto: Marcelo Martins/PMS-Secom

 

Modelo do Sul

Durante entrevista coletiva realizada na manhã desta quarta (29), um dos coordenadores da pesquisa, Rogério dos Santos, enfatizou a importância do levantamento, que levará em consideração experiência ocorrida no Rio Grande do Sul.

Lá, para uma região de 11 milhões de pessoas, serão utilizadas 4.500 amostras.

“O modelo implantado na Baixada Santista, o primeiro no Estado, poderá servir como referência para demais regiões paulistas”, enfatizou.

Assim, de forma proporcional e levando em consideração cálculos matemáticos, pessoas serão escolhidas para serem testadas, gratuitamente.

Agentes comunitários de saúde farão os testes nos pacientes escolhidos.

“As pessoas não podem se candidatar. Será um levantamento aleatório, levando em consideração o perfil populacional”, ressalta.

Além dos testes rápidos (os resultados sairão em 15 minutos), os entrevistados – que precisarão autorizar se querem ou não participar do estudo – responderão um questionário, que será tabulado automaticamente por meio de aplicativo instalado nos celulares.

Além de informações pessoais sobre a doença, a pesquisa também trará indagações sobre trabalho e situação econômica.

“Isso vai ajudar no levantamento sobre a forma de reabertura do comércio e outras atividades econômicas”, enfatizou Santos.

 

Perfil 

“Os resultados serão aglutinados e permitirão termos uma noção real do volume de pessoas assintomáticas e qual o número de infectados pelo Covid-19 na região”, explica o médico infectologista Marcos Caseiro, também um dos responsáveis pelo levantamento inédito.

“Os testes servirão para identificar anticorpos. Os dados coletados hoje referem-se a situação existente nas semanas anteriores”, enfatiza.

Por isso, a necessidade de novos testes a cada duas semanas para monitorar a evolução da doença.

Para evitar golpes, todos os técnicos estarão identificados com crachás e EPI (Equipamento de Proteção Individual).

Neste primeiro levantamento, serão cerca de 2.500 testes aplicados.

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.