Política

17 DE NOVEMBRO DE 2021

Com 29 anos de PSDB, vereador Cacá Teixeira teme o ‘day after’ após as prévias

No PSDB há 29 anos, o vereador Carlos Teixeira Filho teme o impacto que as prévias do partido podem provocar na legenda após domingo.

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Um dos mais antigos membros do PDSB da Baixada Santista com mandato, o vereador Carlos Teixeira Filho (PSDB), o Cacá, teme o ‘day after’ (dia seguinte) após as prévias da legenda.

Afinal, filiados do partido votam neste domingo (21) para decidir quem será o candidato do partido às eleições presidenciais de 2022.

No entanto, nos bastidores, ataques não faltam entre pelo menos dois dos candidatos tucanos.

Os governadores João Doria (São Paulo) e Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) posam fotos juntos e se cumprimentam, mas na prática os atritos entre ambos são expressivos – o ex-prefeito de Manaus, Arthur Virgílio, é mais comedido na disputa.

Basta conferir os debates promovidos por veículos de comunicação, como UOL, Estadão e O Globo.

Não bastasse, o ex-governador Geraldo Alckmin, às turras com João Doria, seu afilhado político, confirmou seu cadastro e irá participar da votação.

Nos bastidores, há quem garanta que sua permanência no partido que ajudou a fundar (inscrição número 7) dependerá do resultado deste domingo (21).

Assim, se Doria sair vitorioso, a saída de Alckmin será inevitável.

Com Leite, o cenário tende a ser outro.

A questão, porém, é saber como o partido, que voltou a ganhar projeção em razão das prévias, caminhará após os resultados das escolhas entre os tucanos.

“Este day after (dia seguinte) preocupa”, reconhece o vereador, um dos três edis tucanos na Câmara santista.

Alckmin

A despeito de tecer elogios pelas conquistas de Doria, vencedor no primeiro turno tanto para a prefeitura paulistana como para o governo do Estado, Teixeira enfatiza seus laços com Alckmin.

Ele participou do Jornal Enfoque – Manhã de Notícias desta quarta (17), onde reconheceu sua preocupação com a legenda e  como o partido tem atuado.

Além disso, ele citou, por exemplo, como votou a bancada do PSDB na PEC dos Precatórios, onde 22 dos 31 parlamentares foram favoráveis, a despeito da posição contrária da legenda sobre o assunto.

“Hoje as pessoas mudam de partido como mudam de camisa. E a ideologia?”, indaga.

Assim, Teixeira reconhece que uma eventual saída do ex-governador da legenda provocará uma debandada significativa de tucanos.

Por sua vez, o PSD, de Gilberto Kassab, parece ser o destino mais próximo do governador, que já tem sido procurado, quem diria, pelo PT.

A ponto do ex-presidente Lula, por exemplo, tem tecido vários elogios ao governador, seu adversário nas eleições de 2006.

Assim, independente do resultado final, Cacá assegura que permanecerá no PSDB – para evitar riscos de cassação de mandato.

No entanto, deixa em aberta a possibilidade, caso a legenda se aglutine com outra (como a fusão PSL/DEM, que resultará no União Brasil).

Santa Casa

Vice-provedor da Santa Casa de Santos, Teixeira também relatou os avanços que a atual gestão, no cargo desde 2016, trouxe à instituição, com investimentos e novos serviços oferecidos.

Além disso, comentou a queda dos números de pacientes de Covid internados no hospital (um em leito de UTI e 11 em enfermaria, com dados de terça (16).

Não bastasse, Teixeira salientou os atrasos nos repasses de verbas SUS pelo Ministério da Saúde, que atrapalharam o fluxo de caixa da entidade.

“Sem contar a tabela que está super defasada”, enfatiza.

 

Programa completo

Dessa forma, confira o programa completo com o vereador e vice-provedor da Santa Casa de Santos, Carlos Teixeira Filho.

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.