Foto: Susan Hortas/PMS

Carnaval

14 DE JANEIRO DE 2022

Cancelamento do Desfile das Escolas de Samba muda os planos das agremiações

Escolas de samba já tinham fantasias prontas

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Sambas enredos prontos, ensaios autorizados, fantasias e adereços em produção. Parecia que o Desfile das Escolas de Samba de Santos iria ocorrer normalmente nos dias 18 e 19 de fevereiro.

As agremiações, inclusive, estavam confiantes, pois o desfile na Passarela Dráusio da Cruz é um evento controlado, com limite no número de pessoas, algo similar ao que acontece em shows e jogos de futebol.

Todavia, o surgimento da variante Ômicron, altamente transmissível, e o surto do vírus da gripe (influenza) fez com que a Prefeitura de Santos adiasse a realização do desfile em fevereiro. O anúncio foi feito na segunda-feira (10) pelo prefeito Rogério Santos no Paço Municipal.

“Não é momento de aglomeração, por isso a Prefeitura e a Liga Independente e Cultural das Escolas de Samba de Santos (Licess) optaram pelo adiamento do Carnaval”, declarou o prefeito.

Vale destacar que o Desfile iria acontecer nos dias 17 e 18 de fevereiro, uma semana antes do Carnaval, como já ocorrera nos últimos anos para que os sambistas pudessem desfilar em São Paulo e no Rio de Janeiro na semana seguinte, quando efetivamente ocorre o Carnaval.

De Volta ao Tempo

Ficar sem Desfile das Escolas de Samba não é novidade em Santos.

Vale lembrar que a cidade não recebeu desfilea entre os anos de 2001 e 2005, por uma série de razões. A principal foi uma ação civil do Ministério Público que proibia a realização de eventos de Carnaval na avenida da orla da praia.

O município voltou a receber o evento apenas em 2006 na Passarela Dráusio da Cruz, na Zona Noroeste. Assim, a tradição do Carnaval ganhou novos adeptos e uniu todas as gerações.

Escolas

O cancelamento do Desfile das Escolas de Samba em fevereiro deixou um sentimento de tristeza no mundo do samba.

O presidente da escola Real Mocidade, Edson Ferreira, o “Edinho,” citou que a decisão acabou surpreendendo um pouco as agremiações, pois as escolas tinham o sinal verde para preparar o Carnaval.

“Já pagamos as costureiras, toda a ferragem dos carros alegóricos está adiantada. Cerca de 70% das fantasias foram concluídas. Agora vamos procurar um galpão para guardar todos os adereços”, citou o presidente da Real Mocidade.

Ele acredita que o desfile das Escolas de Samba seja realizado ainda neste ano em um feriado, logicamente se a situação da pandemia da Covid-19 melhorar.

Edinho salientou que os eventos da Real Mocidade vão continuar seguindo todos os protocolos de segurança estabelecidos pela Prefeitura.

O diretor de Carnaval da Unidos dos Morros, Márcio Pessi, ressaltou que a escola estava com quase 80% do projeto concluído. “É triste não ter o desfile. A comunidade se empenhou para fazer uma bela apresentação. A escola honrou os compromissos e os pagamentos, infelizmente veio a nova variante da Covid-19”, frisou o diretor da agremiação.

Vale destacar que a Unidos dos Morros é atual campeã do Carnaval santista e no próximo desfile vai homenagear o empresário Armênio Mendes, falecido em 2017.

Márcio Pessi finalizou que todas as fantasias, adereços e carros alegóricos serão guardados em um ambiente especifico para serem preservadas sem nenhum prejuízo.

Liga 

O presidente da Liga, Fábio Przygoda destacou que o diálogo com todas as agremiações está aberto.

Além disso, ele citou que a Liga está acompanhando a situação da pandemia e caso a curva tenha uma desacelaração, a discussão sobre o Desfile será retomada.

 

Recursos

Para o desfile das Escolas de Samba, a Prefeitura de Santos determinou uma quantia de R$ 120 mil para cada agremiação do Grupo Especial e R$ 60 mil para as do Grupo de Acesso. Em nota, a Prefeitura informou que já foram pagas as duas primeiras parcelas que as agremiações tinham direito.

Enredos

Como divulgado pelo Boqnews, as escolas de samba já tinham escolhido seus enredos. Assim, se as agremiações seguirem com o projeto este ano, serão três escolas prestando homenagens, a Unidos dos Morros, para Armênio Mendes, a Mocidade Dependente do Samba, que irá homenagear Chico Anísio, e a Sangue Jovem que vai mostrar a história de Solange Cruz, presidente da escola Mocidade Alegre de São Paulo.

Já a União Imperial, vice-campeã do último Carnaval em 2020, vai contar a rica história da região Nordeste. A X-9 vai levar para a avenida o enredo de São Jorge.

Enquanto, a Mocidade Amazonense trará a história dos trabalhadores do Brasil e a Real Mocidade retrata a importância do Porto de Santos. A Brasil quer trazer um pouco da Sapucaí para a Dráusio da Cruz com o enredo sobre o Salgueiro.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.