cidades

Estudantes de Mongaguá se mobilizam e impedem pagamento retroativo

(*) Aline Porfírio Estudantes usuários do serviço de ônibus fretados disponibilizado pela Prefeitura de Mongaguá organizaram uma Assembleia Pública na…

18 de Maio de 2009 - 18:34

Da Redação

Compartilhe

(*) Aline Porfírio


Estudantes usuários do serviço de ônibus fretados disponibilizado pela Prefeitura de Mongaguá organizaram uma Assembleia Pública na última quarta-feira (13). O objetivo foi discutir sobre o atraso no contrato da empresa de ônibus com os alunos e o pagamento retroativo que está sendo cobrado aos estudantes. A reunião aconteceu na Câmara Municipal de Mongaguá e contou com a presença de vereadores, do representante da empresa de ônibus contratada, estudantes e o prefeito da cidade, Paulo Wiazowski Filho (DEM).


Mongaguá possui uma frota de nove ônibus universitários e uma van que levam estudantes da cidade para as universidades de Santos, São Vicente e Guarujá. A Prefeitura arca com 50% do custo e os estudantes com o restante, R$82,00 por aluno. Este ano, o prefeito eleito trouxe novos veículos para o fretamento. Veículos equipados com ar condicionado, televisão e de melhor qualidade mecânica. Mas, em contrapartida, atrasou o contrato. Desde fevereiro, os estudantes estão usando o serviço sem ao menos um contrato emergencial. Devido ao atraso na confecção dos contratos, a empresa divulgou este mês que os estudantes deveriam pagar as parcelas retroativas referentes aos meses de março e abril.


Na reunião, o prefeito explicou que o atraso nos contratos ocorreu por problemas burocráticos de posse, licitação e documentação. Em janeiro a prefeitura expediu dez contratos emergenciais, alegando que não cabia mais realizar outros.


No final da assembleia, o prefeito anunciou que o pedido dos estudantes em relação ao pagamento retroativo será atendido. A prefeitura vai arcar com os meses de atraso, de modo que os estudantes comecem a pagar a partir deste mês.


Em campanha, Paulo Wiazowski colocou como uma das prioridades de seu governo a isenção do transporte universitário. Mas, durante a assembleia, o prefeito alegou que o município não oferece recursos para tal projeto. A proposta de governo é manter a tarifa do ano passado com maior qualidade, e estudar a proposta de isenção para o próximo ano. Wiazowski alega que fatores como perda de repasses e problemas econômicos deixados pela prefeitura anterior o impedem de cumprir a promessa esse ano. 


A oposição da Câmara contrapõe a ideia. O vereador Márcio Cabeça (PSDB) pede para que o prefeito assegure aos estudantes a isenção de 100% na tarifa para 2010. Segundo o vereador, pela primeira vez Mongaguá tem uma renda de R$100 milhões no orçamento, R$20 milhões a mais do que nos anos anteriores. “Esse número facilita o pagamento do transporte aos estudantes, como eu mesmo já sugeri várias vezes”, diz o vereador.


Os estudantes consideram a anulação do retroativo como a primeira vitória. Mas pretendem ainda organizar outra reunião para que o prefeito firme o compromisso de isenção total para 2010. “A reunião foi extremamente satisfatória. O prefeito não se recusou a responder qualquer pergunta e 90% das dúvidas foram esclarecidas. Mas temos que insistir, pois promessa de campanha é para ser cumprida”, enfatiza o estudante de Direito, André Luis Borbolla.


 


(*) Aluna do curso de Jornalismo da Universidade Santa Cecília

LEIA TAMBÉM: