Evento

II Fórum Social da Baixada Santista discute a participação popular

Debates, mesas temáticas, intervenções culturais e painéis formam extensa programação para este fim de semana

04 de novembro de 2019 - 17:51

Da Redação

Compartilhe

Com o tema “Defesa e fortalecimento da participação popular!”, a segunda edição do Fórum Social Baixada Santista (II FSBS), em Santos terá abertura oficial nesta sexta-feira (8).

Evento será às 14h, no campus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), na Rua Carvalho de Mendonça, 144.

O coordenador geral do Fórum da Cidadania de Santos, entidade organizadora, o advogado Sérgio Sérvulo, fará a apresentação do texto-base do evento, que termina no domingo (10).

Diversas mesas temáticas e cerca de 50 atividades autogeridas propostas por entidades e movimentos sociais, além de intervenções culturais, comporão o II FSBS.

As atividades serão realizadas em diversos locais, como no campus da Unifesp da Silva Jardim (Rua Silva Jardim, 136, Vila Mathias); na sede do Fórum da Cidadania, na Estação da Cidadania (Avenida Ana Costa, 340, Campo Grande) e Sesc Santos (Rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida).

 

II Fórum Social Baixada Santista

Foto: Divulgação

Programação

Temas como Economia de Francisco; protagonismo juvenil; os desafios para a construção de um modelo democrático de gestão na Baixada Santista; o papel dos movimentos sociais; educação; meio ambiente; questões raciais e de gênero; violência contra a mulher; economia solidária; redes sociais; e mídia independente em tempos de fake news serão amplamente debatidos por convidados e participantes.

O coordenador do site Articulação Brasileira pela Economia de Francisco, Sérgio Storch, e a educadora ambiental Ingrid Furlan Oberg, participante do Sínodo da Amazônia realizado, recentemente, em Roma, por iniciativa do Papa Francisco, farão considerações sobre a Economia de Francisco.

Trata-se de um encontro mundial, promovido em Assis, Itália, em março de 2020, para repensar a economia global.

Além disso, os urbanistas Vicente Trevas e Tereza Herling discorrem sobre a região metropolitana e seus descompassos.

Já a docente do curso de Arquitetura e Urbanismo da Unisantos e coordenadora do Observatório Socioespacial da Baixada Santista (Observa BS), Mônica Antonia Viana, apresenta o Projeto Brasil Cidades (BrCidades): rede de ação coletiva pela agenda urbana.

E ainda

O advogado, coordenador nacional da Central de Movimentos Populares (CMP) e membro da coordenação nacional da Frente Brasil Popular (FBP), Raimundo Bonfim traz a discussão sobre o papel dos movimentos populares frente à conjuntura de desmonte das políticas públicas e os impactos nas regiões metropolitanas.

Além disso, nos períodos da manhã e tarde, encontros das vítimas da Rodhia e discussão sobre a defesa do Sistema Único de Saúde (SUS), com representantes dos usuários e gestores de saúde também integram as atividades.

Às 19 horas, após a apresentação do Grupo Vozes, do Sindicato dos Bancários de Santos, o painel sobre as redes sociais terá a presença de profissionais da comunicação, como Renata Mielli, do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação; Cynara Menezes, do Blog Socialista Morena; além de Igor Santos, do Coletivo Jornalistas Livres, e Renato Rovai, da Revista Fórum.

A mediação será feita por Lidiane Diniz, também jornalista e professora universitária.

Mais debates

No sábado (9), das 9 às 18 horas, no campus Silva Jardim da Unifesp, será as vez dos diversos debates propostos pelas atividades autogeridas inscritas pelos movimentos sociais.

Violência contra a mulher; comunicação; cultura e cidadania; cooperativismo e outros relacionados à resistência popular, participação e justiça social.

Posteriormente, no início da noite, mais intervenções artísticas. Ação tem direção do músico Danilo Nunes, no Sindipetro (Avenida Conselheiro Nébias, 248), a partir das 20h30.

Domingo (10), das 9 às 14 horas, na Estação da Cidadania (Avenida Ana Costa, 340), acontece a Festa Popular com diversas atividades.

Feira solidária e de produtos orgânicos; intervenções culturais; apresentação do Coral Cravos e Rosas, da Apeoesp; exposição da fotógrafa Bete Nagô “Mulheres de Luta: força e pluralidade”; batalha de slam; música; literatura; e oficina de bordados do Coletivo Linhas de Santos.

O encerramento acontece no Sesc Santos, das 16 às 19 horas, com a plenária que terá roda de conversa.

Entretanto, dessa vez sobre “Outra economia é possível e Economia de Francisco”, com o arquiteto e um dos idealizadores do Fórum Social Mundial, Chico Whitaker; e o economista e professor universitário Ladislau Dowbor.

Posteriormente, haverá debate e encaminhamentos e deliberações sobre a continuidade do II FSBS.

Ao final, a atividade homenageará personalidades que foram atuantes e defensoras da democracia e participação popular para Ernesto Zwarg; Gemma Rebello; Helle Alves; Irmã Maria Dolores; Maria Lúcia Prandi; e Suely Morgado.

O evento

Tem como objetivo, sobretudo, fortalecer a sociedade civil para exigir transparência e exercer o controle social junto à gestão pública regional.

E é inspirado no lema, nas linhas gerais programáticas e na metodologia de autogestão dos debates do Fórum Social Mundial, realizado desde 2001 e organizado por movimentos sociais para a transformação social global.

De caráter suprapartidário, plural e participativo, o II FSBS é organizado e coordenado pelo Fórum da Cidadania de Santos em parceria com outras instituições e grupos da Baixada Santista.

Como, por exemplo, a Universidade do Estado de São Paulo (Unifesp); Rádio Brasil Atual (RBA) FM 93,3; Settaport; Sindipetro; e Sesc Santos. Além de diversas entidades e movimentos sociais.

Para o coordenador Sérgio Sérvulo, esta segunda edição do FSBS é ainda mais importante do que a anterior.

Isso em razão da alteração da correlação de forças políticas neste novo (velho) governo, bem como a acentuação das desigualdades quando a justiça social e a distribuição de renda necessita ser uma bandeira de todos e todas.

Para ele, “A democracia só se aprimora quando a sociedade civil se apropria das políticas publicas e do interesse coletivo, garantindo sua participação nas diversas instâncias”.

Atividades Autogeridas

Instituições da sociedade civil, como associações; movimentos sociais e estudantis; coletivos feministas; sindicatos; entidades ambientalistas e universidades sediadas nos municípios da Baixada Santista, inscreveram diversos temas relacionados às suas áreas de atuação que serão apresentadas por meio de debates, mesas redondas, painéis, exibição de vídeo e outros.

O público pode escolher quais atividades autogeridas participar, pois elas serão realizadas simultaneamente.

Todas as atividades inscritas estão divulgadas na página e no Facebook.

Contribuição financeira

A organização do II FSBS não receberá nenhum tipo de subvenção do poder público. Portanto, conta com a contribuição e o engajamento de cidadãos e cidadãs conscientes e socialmente participativos para viabilizar o evento.

Quem quiser e puder pode depositar ou transferir valores para o Banco Santander (033), Agência 2151, Conta Corrente 13. 001153.5, em nome da Concidadania CNPJ 07.497.673/0001-48.

Posteriormente, deve encaminhar o comprovante pelo e-mail ou telefone e informe seu nome para (13) 3221-2034.

Além disso, as contribuições podem ser feitas pessoalmente, na Estação da Cidadania de Santos. O endereço é na Avenida Ana Costa, 340, bairro da Encruzilhada.

O horário de atendimento é de segunda à sexta-feira, das 15h30 às 20h30.

Neste caso, entretanto, a doação poderá ser feita em dinheiro ou no cartão de débito/crédito.

Cada doador receberá um recibo correspondente à sua doação.

LEIA TAMBÉM: