Foto: Isabela Carrari/PMS

Santos

07 DE NOVEMBRO DE 2021

Mural destaca atrações e a colonização japonesa na Ponta da Praia

O mural é a 15ª edição do Projeto Tela na Rua, que tem Daniel Drosh como curador

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

História, cultura e arte se mesclam no mural Santos Ponta, com cerca de 100m², que cinco grafiteiros estão produzindo na Rua André Vidal de Negreiros, junto à Avenida dos Bancários, na Ponta da Praia. Os trabalhos começaram na quarta-feira (3) e o grupo, integrado por Daniel Drosh, Bani, Edgar Vieira (conhecido como Pesado), Afonsoul e Thaco, destacará não apenas as atrações turísticas, mas também a forte presença japonesa no bairro, antes de sua urbanização.

O mural é a 15ª edição do Projeto Tela na Rua, que tem Daniel Drosh como curador. “A intenção é dar um novo significado ao local e, por meio da arte urbana, resgatar um pouco da história e curiosidades do bairro”, comentou ele, lembrando que a ação é precedida por pesquisas históricas para melhor caracterização. O projeto é resultado do sonho de colorir espaços e vias públicas, despertando na população o interesse e conectando-a à arte.

“A rotina, a falta de tempo das pessoas, espaços e vias públicas sem vida, algumas monótonas e outras extremamente agitadas, me fizeram entender que só a arte tem o poder de mudar essa situação.”

A ocupação japonesa na região e sua atividade pesqueira como fonte de renda estarão em destaque no muro de 40m de comprimento, no trecho próximo à avenida. À esquerda, o Santos Ponta terá imagens alusivas à pesca artesanal, com o monumento e o rosto de um pescador, seguidas dos antigos Mercado e Rua do Peixe. Na sequência, os esportes náuticos, as corridas de automobilismo nos anos 1970 e o 1º campo do Jabaquara Atlético Clube.

Finalizando o mural, imagens do antigo trampolim de madeira existente no mar, nas proximidades dos clubes; museus de Pesca e do Mar; Aquário; Deck do Pescador e o castelinho, labirinto e o foguete, os brinquedos preferidos das crianças no parque da Praça Rebouças.

O Tela de Rua, de acordo com Drosh, é uma exposição de arte aberta a todos. “A intenção é provocar emoções e novas vivências culturais, mediante espaços mais alegres, que inspirem as pessoas para que se sintam mais felizes.” Conforme adiantou, o mural terá um QRCode, onde os interessados poderão conhecer um pouco mais sobre o projeto e outros trabalhos já realizados.

O primeiro trabalho do projeto foi na Rua República do Equador, há cerca de dois anos. Em 2020, a iniciativa chegou, entre outros locais, às escadarias do Morro São Bento, do Morro do Marapé (ruas 5 e 6) e do Morro José Menino. Recentemente, Drosh e outros 15 artistas plásticos criaram a arte que enfeita o entorno da Lagoa da Saudade, no Morro da Nova Cintra. “É a primeira galeria a céu aberto de arte urbana da região”, orgulha-se ele, com 43 anos de idade, 30 dos quais trabalhando com arte e há três envolvido com a arte de rua.

O Tela na Rua conta com o apoio da Prefeitura, por meio da Seserp (Secretaria de Serviços Públicos), responsável pela lavagem, recuperação e pintura dos muros, e o patrocínio do Baratão das Tintas e Colorgin, que fornece as latas de spray. Também são parceiros a Oficina 36, Storm Comunicação, Escola Técnica Treinasse, RF TEC Informática, Du Simões Vídeos e Fotos e BR Arte Galeria.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.