Além da Covid, São Vicente registra epidemias de dengue e chikungunya | Boqnews
Foto: Arquivo / Agência Brasil

Saúde

11 DE MARÇO DE 2021

Além da Covid, São Vicente registra epidemias de dengue e chikungunya

Além do crescente aumento dos casos de Covid-19, a região tem registrado aumento de casos de dengue e chikungunya.

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Não bastasse a Covid-19, a população de São Vicente vive um outro desafio: a epidemia de dengue e chikungunya.

Alguns bairros têm volume de larvas do Aedes Aegypti até 17 vezes mais que o índice possível antes de se considerar uma epidemia.

“Os números são assustadores”, revela Fábio Lopes, chefe do Departamento de Controle de Doenças Vetoriais (Decodove), da Secretaria Municipal de Saúde de SV.

Ele participou do Jornal Enfoque – Manhã de Notícias nesta quinta (11).

Para se ter uma noção da gravidade do cenário, a cada trimestre são realizadas amostragens de criadouros de mosquitos.

O Índice de Breteau (IB) é usado na avaliação da densidade larvária do mosquito e tem classificação satisfatória quando for menor que 1 ponto.

De 1 a 4 pontos, a densidade de mosquitos já é suficiente para desencadear uma epidemia.

Atualmente, a média no Município chega a 10,6 pontos.

E pior: bairros como Jóquei Clube, Vila São Jorge, Vila Mello e Catiapoã estão com índices superiores a 17 pontos.

Não bastasse, um percentual inferior a 50% dos imóveis conseguem ser visitados.

Isso porque muitos moradores não permitem o acesso dos agentes de controle do vetor.

Ou por serem de temporada ou por estarem desabitados, com placas de Vende-se ou Aluga-se.

“E assim fica impossível sabermos como está a situação dentro dos imóveis”, destaca.

Ele ressalta que as bandejas de geladeira têm se tornado cada vez mais um recipiente perigoso para a proliferação das larvas do mosquito.

“As pessoas precisam se conscientizar dos riscos”, alerta.

 

Além da Covid, população convive agora com a explosão de casos de dengue. Foto: Arquivo / Agência Brasil

Baixada Santista

Lopes também ressalta que o mosquito não tem limites geográficos e teme que a região sofra uma nova pandemia, como registrada em 2010 e 2013.

Não bastasse, com casos crescentes de chikungunya, além da dengue.

Sem contar a pandemia do Covid-19.

“No ano passado, foram 40 casos. Somente até agora, já temos 70 confirmados. É uma situação realmente complexa”, salienta.

Confira a entrevista completa:

 

 

Santos também

Em coletiva, o prefeito de Santos, Rogério Santos, também demonstrou preocupação com a elevação de casos de dengue e chikungunya em Santos

“Já temos 60 casos de dengue e 84 de chikungunya confirmados e mil exames aguardando resultados”, citou.

Santos diz que as UPAs estão ficando cada vez mais cheias em razão do aumento de casos de Covid e dengue.

E teme um caos no atendimento.

“As equipes de saúde estão exauridas”, enfatizou.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.