Sol Nascente
José Adelson

Professor de língua japonesa e jornalista.

93 anos de Arata Kami

23 de dezembro de 2015 - 08:53

Compartilhe

O comendador Arata Kami, completa o seu 93º aniversário. Natural de Fukuoka, chegou ao Brasil em 1933 no navio Buenos Aires Maru. Trabalhou nas lavouras de café, arroz, milho e algodão, nas cidades paulistas de Cafelândia, Tangara Bastos, Monte Alegre e Lins, transferindo-se para Santos 23 anos depois, para trabalhar com seu cunhado, na exportação de pescados.

Sem jamais ter retornado ao Japão, ele diz: “é aqui que está a minha vida, a minha família”. E frisa em dizer que é torcedor do Santos FC.

Mantém tradições milenares e tem a porta da sua casa sempre aberta para ajudar a colônia e os que se interessam pela cultura nipônica. Entretanto, há muito tempo incorporou hábitos brasileiros, por exemplo: o sushi e o sashimi dão lugar ao arroz com feijão e bife a cavalo. Existem marcas na cidade, como o monumento da imigração japonesa na praia do José

Menino, no Emissário Submarino, que é motivo de orgulho para Kami, responsável direto pela iniciativa onde viu as três figuras ali representadas serem reproduzidas em Kobe (porto do Japão de onde partiram os navios para o Brasil) dois anos depois da inauguração, em Santos.

Em 1978, tornou-se presidente da Associação Japonesa de Santos, cargo que exerceu durante 25 anos. Foi ainda um dos fundadores da Kosei Home (Casa de Reabilitação Social) que dá amparo aos idosos que dela necessitam.

A importância do trabalho de Kami pode ser avaliada pelos inúmeros títulos e diplomas que recebeu referentes aos serviços prestados à colônia e à tradição japonesa, entre elas destacando-se o título de Cidadão Santista, em 1991, além da condecoração da Ordem Sol Nascente dada pelo imperador Akihito em 19 de novembro de 1993, pelo reconhecimento às atividades beneméritas: “Foi o dia mais feliz da minha vida”, comenta sem esconder a emoção.

Arata Kami foi um dos articuladores na devolução da casa da Associação Japonesa, localizada na Rua Paraná, 129.

O sentimento de alegria mesclado com nostalgia revive em Kami com a mesma intensidade, a cada florada das cerejeiras que plantou em 1988 no Teatro Municipal e também em frente ao monumento da Imigração Japonesa, fortalecendo assim os elos que mantêm com Santos e o país que o abriga há 82 anos, onde nasceram seus filhos Kyoko, Sayoko e Roberto (falecido), além dos seus netos e bisnetos. A esposa Kinuko, nasceu no Japão em Kumamoto.

Parabéns, Arata Kami!
Parabéns, Japão!
Parabéns, Brasil!

Bonenkai 2015

Realizou-se no último dia 13 de dezembro, a festa de confraternização da Associação Japonesa de Santos, com a presença de vários familiares de alunos da Escola japonesa. O presidente da entidade, Jorge Agifu, em discurso, enfatizou e parabenizou esta união entre os povos, estreitando os laços de amizade que existe entre Brasil e o Japão.

Na programação, destacamos a performance do sr. Yoshida, cantor de karaokê que nos brindou com várias músicas do Japão. O jornal Boqnews registra mais este evento da comunidade nipônica em Santos.