Arte de Conviver
Laercio Garrido

Professor universitário e escritor.

Carisma, arte de encantar

13 de setembro de 2012 - 20:13

Compartilhe

O carisma é um dom natural do ser humano, pois nasce com ele. Apesar de alguns especialistas tentarem classificá-lo como uma técnica que pode ser ensinada, isto parece muito difícil pelas características especiais e complexas que o envolvem. 
Assim como um gênio da música ou ás do esporte não obteve o seu talento à custa de nenhum programa de treinamento, fica difícil imaginar um curso tipo “desenvolva o seu carisma em dez lições”. 
Existem alguns líderes que movimentam as multidões a acompanhá-los na prática de seus princípios e valores e são os únicos que nasceram com a principal característica da liderança: o carisma. Gandhi, Martim Luther King, Napoleão, Moisés, Jesus Cristo conseguiram desenvolver a fantástica habilidade de encantar as pessoas através do magnetismo de seu carisma.  
As pessoas carismáticas conseguem convencer, influenciar, obtendo um elevado grau de obediência e admiração de seus seguidores. O carisma é algo fácil de perceber, mas difícil de explicar. Não pode ser definido como simpatia, bom humor, atração física, inspiração, sedução ou magnetismo pessoal. Ele é a soma de tudo isso e mais alguma coisa.
Um famoso ditado diz que “uma pessoa pode enganar outra durante muito tempo, ou iludir muitas durante pouco tempo, mas jamais confundir muitas durante muito tempo”. Esta máxima não se aplica às pessoas com carisma, pois o mundo é testemunha de trágicos e numerosos exemplos no campo social, político ou religioso. 
Apesar da opinião contrária de vários autores, o carisma não é a competência primordial da liderança. Mais importante do que o carisma é o caráter, a manutenção dos princípios, valores e a vontade de desenvolver a equipe. O termo liderança carismática tem aparecido com elevada freqüência e confundido os estudiosos desse tema. O carisma pode até atrapalhar, pois sua força de atração é tão grande que um gerente carismático, mas inescrupuloso, consegue desviar muitas pessoas do caminho certo para atingir a visão da organização.
Evidentemente que o principal executivo de uma instituição de grande porte, terá facilidade para inspirar e arrebatar seus colaboradores se tiver condições de aplicar seu carisma com propriedade.
O carisma é um poderoso imã social e, portanto, um instrumento fundamental para alavancar a carreira de um político, apresentador de televisão ou líder religioso. O político carismático consegue conquistar mais votos com menos esforço, pelo seu elevado poder de persuasão. O apresentador com carisma multiplica sua audiência. Já o guia religioso utiliza o carisma para convencer seus fiéis da relevância dos princípios e dogmas de sua religião.
As sementes das emoções positivas – alegria e otimismo – ou das negativas – tédio e tristeza – já existem dentro das pessoas. Dependendo da qualidade do carisma por elas percebido, um ou outro tipo irá germinar.
A regra básica do líder de sucesso não é ficar preocupado se tem ou não carisma e sim ser ele mesmo, agir de forma ética respeitando os outros e atuar como um verdadeiro profissional que nunca se afasta dos valores, políticas e estratégias de sua organização.