Consegui uma entrevista de emprego. E agora? | Boqnews
Divulgação

Opiniões

14 DE FEVEREIRO DE 2017

Consegui uma entrevista de emprego. E agora?

Por: Simoni Aquino

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

além do Rh simoni aquinoMuitos candidatos se esquecem que estão sendo avaliados desde o momento que pisam na empresa e são reprovados na entrevista por não conseguirem superar o nervosismo, ou por falta de bom senso ao responder as questões ou ainda por apresentarem postura inadequada ou pouco profissional no momento do olho no olho com o entrevistador. Não raro, ocorrem muitas reprovações pelos motivos relacionados abaixo:

  1. ATRASO

O candidato nunca deve se atrasar para a entrevista. Mas ai, você pondera que muitos selecionadores se atrasam e não cumprem o horário agendado com o candidato. E não que eu concorde com esse tipo de postura por parte do selecionador, mas essa alegação não é desculpa para “justificar” o atraso de um candidato. Afinal de contas, candidato é candidato e selecionador é selecionador, cada um no seu quadrado (um dia o selecionador poderá estar na mesma situação que você e será a vez dele sentir esse desrespeito na pele), entretanto quem está buscando recolocação no mínimo, deve saber cumprir horário de seus compromissos, pois esse comportamento é parte da avaliação na entrevista.

  1. CELULAR:

Ficar toda hora olhando no celular, ficar teclando ou deixá-lo tocar no decorrer da entrevista denota a mais completa falta de educação de um ser humano. Preciso explicar por quê? Deixe-o desligado ou no máximo, no vibracall e no bolso ou bolsa. Não fique com o celular na mão para evitar a tentação de mexer no aparelho.

A única exceção: Se você estiver enfrentando algum tipo de problema de doença na família ou teve algum evento de falecimento na família. Nestes casos, explique ao selecionador o que está ocorrendo e informe que precisará deixar o celular ligado. Deixe-o no vibracall e mesmo assim, mantenha-o no bolso para não gerar desconcentração a você e ao selecionador.

  1. FALAR DEMAIS

Minha mãe dizia: Quem fala demais, dá bom dia a cavalo. Ou seja, se falar demais, correrá o risco de falar além da conta e demonstrar uma imagem de uma pessoa inconveniente, que não sabe a hora de escutar. Busque o equilíbrio com bom senso. Uma técnica de seleção muito usada por selecionadores preparados é justamente criar um clima de descontração para que o candidato sinta-se à vontade e confiante; o selecionador procura “dar corda” para o candidato, dessa forma, as chances do candidato falar demais e acabar falando o que não deve e cometer gafes é muito grande, podendo ser reprovado por ser invasivo e faltar postura. Acredite, isso é muito comum!

  1. DESDÉM

Se você não gostou da vaga ou não apreciou a empresa, peça licença e informe ao selecionador que não era o que você esperava e peça para desistir do processo. Não perca o seu tempo e nem o tempo do selecionador, afinal de contas você tem todo o direito de escolher o perfil de vaga e de empresa na qual deseja trabalhar, mas ser entrevistado e demonstrar desdém ou pouco caso, pois demonstra falta de profissionalismo e falta de respeito pela sua própria carreira.

  1. FALAR MAL DE ANTIGOS EMPREGADORES

Por mais que você tenha milhares de motivos para reclamar ou falar de forma negativa de seus ex-empregadores, discuta isso na Justiça Trabalhista que é o âmbito adequado para reclamar o que você considerou inadequado ou antiético no seu antigo empregador. Mas, JAMAIS o faça numa entrevista, se você deseja que essa empresa que está lhe entrevistando seja seu futuro empregador.
Esse tipo de atitude denota falta de ética, falta de profissionalismo, mesmo que você esteja correto e seu ex-empregador tenha lhe sacaneado.
Sabe por quê? Toda história tem 3 versões: a sua, a do outro e a verdadeira e o selecionador não tem subsídios e nem lhe conhece para saber se você está falando a verdade ou não. Assim você não está protegendo o seu ex-empregador, você estará se preservando e evitando de passar uma imagem negativa sobre si mesmo.

  1. FALAR MAL DE EX-LÍDERES

O mesmo motivo do item acima.

Entretanto, como se trata de seu líder imediato, a avaliação do selecionador é feita para verificar como é o seu comportamento ou a maneira na qual você lida com profissionais de nível hierárquico superior ao seu. Isso pode ser chancelado através da busca por referências profissionais, portanto, cuidado com suas relações com seus gestores anteriores.

  1. ASSUMIR UM PERSONAGEM

Cuidado ao deixar de ser autêntico e optar por encenar um personagem que você não é. Em uma entrevista de seleção seja sempre verdadeiro, pois existem técnicas para avaliar o comportamento humano e se o selecionador desconfiar que você está encenando pode criar situações para que você caia em contradição em dado momento e assim, confirmar sua desconfiança. E se isso acontecer, você será reprovado por ambiguidade de comportamento ou falta de personalidade. Dinâmicas de grupo tem como objetivo justamente avaliar esse tipo de comportamento.

  1. OMUNICAÇÃO VERBAL

Gírias são imperdoáveis nas entrevistas, por motivos óbvios.

  1. COMUNICAÇÃO ESCRITA

Escrever como você digita nas redes sociais ou com erros de língua portuguesa elimina muitos candidatos processo seletivo, por isso a maioria das empresas incluem redação nos seus processos seletivos.

  1. MENTIRAS

Mentiras são facilmente detectáveis pela postura corporal (inclusive facial) que qualquer ser humano apresenta ao mentir e um selecionador especialista em comportamento humano é capaz de realizar a leitura corporal, pois existem técnicas específicas para isso. Ao perceber a mentira, o bom selecionador faz perguntas-chave para ratificar sua constatação e confirmar as contradições através das respostas dos candidatos. Ao mentir, o candidato é eliminado na hora por perder a credibilidade, pior ainda quando for submetido a testes comportamentais e técnicos.

  1. ESQUECER DOCUMENTOS SOLICITADOS

Se no contato telefônico o selecionador pedir para levar currículo e determinados documentos, não apareça na entrevista sem estar de posse do que foi solicitado. Portanto, preste atenção à conversa telefônica e anote o que o selecionador pedir. O selecionador avalia que, se você não é capaz de atender uma solicitação numa entrevista de emprego, onde você está necessitando de uma oportunidade de trabalho, imagina como será depois que estiver registrado pela empresa? A empresa não vai pagar para ver.

  1. SALÁRIO A COMBINAR

Ao ser questionado sobre sua pretensão salarial, seja verbalmente ou por escrito, numa entrevista de emprego, nunca responda a combinar. O selecionador precisa dessa informação para saber se sua pretensão se enquadra ao que a empresa está oferecendo à posição. Você deve se informar para ter conhecimento da média salarial de mercado ou então, siga seu último salário, mas jamais deixe de informar um valor real e compatível com sua posição e escolaridade.

  1. APELAÇÕES

Mundo corporativo não é lugar para filantropia. Portanto, chorar implorando uma chance expondo problemas pessoais graves, problemas financeiros, problemas familiares não adianta nada e ainda demonstra descontrole emocional e perfil apelativo. As empresas contratam pelas competências e nunca por dó do candidato.

  1. RELIGIOSIDADE

Mundo corporativo deve andar à parte das questões religiosas e doutrinárias, não que o profissional não possa ser religioso, ao contrário, ninguém vai deixar de ser religioso por que foi contratado, não é isso.

A religiosidade é vista com bons olhos pelo mundo corporativo, entretanto o problema é quando o candidato usa de sua religião para demonstrar que é mais merecedor da vaga do que o outro candidato, que pode ser de outra religião ou até mesmo ser ateu, utilizando a sua doutrina religiosa como justificativa para sua aprovação.

Aqui vale o mesmo que orientado no item acima, as empresas contratam pelas competências e não por que você é da doutrina x ou da doutrina y.

Analisando suas participações em processos seletivos, relebre se cometeu alguma gafes dessas, talvez tenha encontrado o motivo pela qual foi reprovado, mesmo apresentando um excelente currículo.

Vale a reflexão!

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.