Mais uma insensatez | Boqnews
Foto Marizilda Cruppe/Embrapa

Opiniões

01 DE NOVEMBRO DE 2021

Mais uma insensatez

José Renato Nalini

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

A biodiversidade é uma riqueza com a qual o Brasil foi privilegiado pela Providência Divina. Exuberante, rica, potencialmente capaz de garantir a economia e a qualidade de vida para todos os que aqui residem.

Só que o governo brasileiro parece não compreender o que isso significa. Na Conferência sobre a biodiversidade ocorrida em Kunning, na China, a COP-15, o Brasil não quer ampliar as áreas terrestres e marítimas objeto de proteção, de 17% a 30%.

O argumento utilizado pelo Estado Brasileiro é pífio: não existiria métrica perfeita para dizer qual o ideal de proteção. Ora, é evidente que 30% é muito mais do que 17%.

Uma República que tem se destacado por hostilizar a ciência – vide a questão do tratamento precoce da pandemia e a campanha contra a vacinação, que levou alguns fanáticos a não se imunizarem – oferece uma explicação bizarra para se recusar à ampliação: “não existe base científica para essa tomada de decisão”.

Ou seja: continua a política “solta a boiada”, para que o maior patrimônio desta Nação continental seja reduzido primeiro a pasto e, logo em seguida, a um deserto. Sinais da savanização já estão presentes até no Estado de São Paulo, com as tempestades de areia que só acontecem no Saara.

O governo federal de hoje dá mais um passo atrás. Até 2018, o Brasil era um respeitado protagonista ecológico. Desde então, parece ter gostado da condição de “pária ambiental”, oferecendo à civilização um triste exemplo de como se perde rapidamente uma reputação duramente construída.

Para quem possuía uma exuberante biodiversidade como a nossa, teria sido fácil até ultrapassar os 30% de áreas protegidas. Elas se prestam a uma exploração econômica muito superior à do pasto.

Exaurimos nossa potencialidade turística, antes mesmo de adotá-la como eficiente forma de resgate de uma economia tão combalida como a nossa.

O castigo para a insensatez chegará de múltiplas formas. O mundo preocupado com o aquecimento global concluirá que não se espere do Brasil a retomada de uma política ecológica emblemática, mas que ele continue a ser encarado com reservas crescentes.

O dinheiro para investimentos tão urgentes não virá. E a produção do agronegócio será afetada pelos compradores que não querem adquirir o fruto do desmatamento. Quem viver verá.

José Renato Nalini é reitor da Uniregistral, docente da Pós-graduação da Univove e Presidente da Academia Paulista de Letras – 2021-2022.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.