Memória Santista
Sergio Willians

É jornalista e escritor, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Santos e da Academia Santista de Letras. Também é membro correspondente do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.

O primeiro Papai Noel

Santos vibrou em 1955 com seu primeiro Papai Noel oficial

24 de dezembro de 2015 - 08:00

Compartilhe

papainoelMilhares de pessoas aguardavam ansiosamente, no início da noite de domingo, dia 18 de dezembro de 1955, o que vinha sendo propagado havia alguns dias nas páginas de jornais e ondas radiofônicas da cidade, como um dos maiores acontecimentos da história da região. O Bom Velhinho, Papai Noel, visitaria Santos pela primeira vez, com a missão de abençoar o Natal dos santistas e turistas de passagem.

A chegada de Papai Noel foi planejada para acontecer por via aérea. Porém, longe de ser com o famoso trenó puxado por renas mágicas voadoras, a ideia era utilizar um avião monomotor, que fora devidamente preparado na Base Aérea de Santos, para a ocasião. O pouso aconteceria nas areias da Praia do Gonzaga, não fosse um equívoco na estratégias dos organizadores, que subestimaram o interesse da população. Havia tanta gente no local, que não sobrou pista para o Bom Velhinho aterrissar.

O jeito foi arrumar veículo terrestre, “disfarçado” de carruagem, que partiu dos lados da Via Anchieta. Na altura da boca do túnel do Monte Serrat , Papai Noel ganhou uma escolta de honra, composta por motociclistas do Santos Moto Clube, que o acompanhariam até o Gonzaga.

Era pouco mais de 20 horas quando o comboio natalino apontou nas proximidades da Praça da Independência, totalmente tomada por crianças e adultos em êxtase. Naquele mesmo ano, a Prefeitura havia iniciado um plano especial de iluminação de Natal, dando um ar completamente festivo ao acontecimento. Depois de cumprir alguns protocolos formais, com o prefeito Antônio Feliciano e demais autoridades da cidade, Papai Noel foi ao microfone para saudar as crianças que o recepcionaram. Em sua carta, leu:

“Crianças de Santos. Não poderia deixar de atender ao apelo do Conselho Municipal de Turismo e eis-me aqui, jubiloso, neste encantadora cidade. Santos empolgou-me. É uma cidade-jardim. Jamais esquecerei o aspecto aparatoso de suas praias e a bonita ornamentação do centro, especialmente executados em minha homenagem. Neste hora festiva, dirijo a mensagem de paz, amor e felicidade a todas as crianças de Santos. Quando vocês crescerem, trabalhem com carinho e denodo para tornarem mais próspera e rica esta cidade que tanto me surpreendeu pela formosura urbanística. No dia de Natal, que se avizinha, vocês terão os presentes sonhados. E que este dia seja de verdadeira alegria, festa, harmonia e compreensão. Uma abraço a todos. Papai Noel.”

Em seguida, o Bom Velhinho foi para os braços do povo, desfilando na sua carruagem motorizada entre a população feliz. Nos dias que se seguiram, Papai Noel cumpriu uma agenda extensa, que incluiu visitas às estações de rádios, jornais, asilos, hospitais infantis, além de um passeio em comboio pelas ruas do centro da cidade. Foi um Natal, realmente, histórico.

*Texto reproduzido do site Memória Santista