Frente Ampla de Santos discute a defesa de democracia | Boqnews
Sindicalistas e dirigentes participaram do ato.

Política

04 DE NOVEMBRO DE 2022

Frente Ampla de Santos discute a defesa de democracia

Dirigentes do PT, PSB, PC do B, PSOL, PV, CUT, Força Sindical, CTB, Intersindical, além de sindicalistas, economistas e estudantes participaram do evento

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Um encontro para alinhar as diretrizes e definir as pautas da região.

Assim foi a reunião da Frente Ampla de Santos.

Trata-se de um movimento em defesa da democracia, que abrange partidos políticos, movimentos sociais e sindicais, ocorrida nesta quinta-feira (3), no Sindicato Settaport.

Assim, temas como a retomada econômica, geração de empregos, defesa do porto e meio ambiente foram debatidos.

Dirigentes do PT, PSB, PC do B, PSOL, PV, CUT, Força Sindical, CTB, Intersindical, além de sindicalistas, economistas e movimentos estudantis participaram do evento.

Portanto, com a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República Federativa do Brasil, os membros e membras da Frente Ampla consideram que a Baixada Santista possui um papel de destaque na economia.

Afinal, o Porto de Santos é responsável por quase 30% da balança comercial do país.

No entanto, é consenso que uma eventual desestatização da autoridade portuária será prejudicial à região e aos trabalhadores.

Luta

Assim, o vereador Francisco Nogueira,  o Chico do Settaport, presidente do PT, em Santos, destacou a união da frente e vislumbra novas oportunidades.

“Lula terá uma atenção especial para a Baixada Santista, sobretudo no porto e na reindustrialização, gerando empregos com carteira assinada e desenvolvimento econômico sustentável”, afirmou o petista.

Além disso, Fábio Lopez, presidente do PSB santista, disse que a democracia triunfou.

“Agora é trabalhar. Já começou a transição de governo e vamos atuar contra a desestatização do Porto de Santos, com diálogo entre os setores, sindicatos e comunidade portuária”, completou o socialista.

Por sua vez, a chapa “Brasil da Esperança” teve 463.176 mil votos (44,5%) nas nove cidades da região.

Para a Frente Ampla, foi um resultado positivo, que auxiliou na vitória e retorno de Lula ao Palácio do Planalto.

Dessa forma, frente ampla de partidos de esquerda se reuniu para definir pontos do futuro governo Lula. Foto: Divulgação

Militância

Ricardo Saraiva, o Big, presidente do PSOL de Santos, ressaltou a força da militância.

“Apesar de todas as manobras que foram feitas para derrotar Lula, nós vencemos a eleição. Tivemos a unidade dos trabalhadores e democratas. É momento de construir a união de todo o povo brasileiro”, salientou Big.

Além disso, o meio ambiente teve notoriedade no encontro.

Moyses Fernandes, presidente do PV, em Santos, enfatizou que esta pauta é intrínseca ao futuro das pessoas.

“O debate ambiental faz com que a gente possa esclarecer assuntos como a instalação de uma usina de incineração de lixo. Precisamos debater qual o melhor modelo que a gente quer implantar na região”, explanou Fernandes.

Assim, para Angela Meyer, dirigente do PC do B, a Constituição Cidadã de 1988 foi exaltada no pleito do último domingo (30).

“Pelo voto, confirmamos a opção democrática, por uma vida mais justa e respeito à diversidade e à civilidade”, ressaltou Meyer.

Herbert Passos, coordenador regional da Força Sindical, comemorou a adesão de partidos políticos e de movimentos sociais para a pauta de um Brasil menos desigual. “Isso se refletiu no crescimento da esquerda na região e trouxemos a vitória do companheiro Lula”, disse Passos.

Mudanças na economia

Não bastasse, mudanças na economia serão pleiteadas.

Iso Sendacz, especialista do Banco Central, explicou que o novo governo terá uma atenção prioritária aos mais pobres.

“Será necessário deixar de destinar R$ 1 trilhão para juros e dirigir esse dinheiro para investimentos públicos, programas sociais e geração de empregos, especialmente para a Baixada Santista, onde podemos industrializar os produtos que vão embarcar no porto. É fundamental recuperar a Petrobras para gerar renda à população e ao comércio”, detalhou o engenheiro.

Juventude

Além disso, a juventude brasileira anseia por perspectivas.

Michelle Souza, da UMES (União Municipal de Estudantes Secundaristas), afirmou que os jovens aumentaram o interesse pela política, tiraram seus títulos de eleitor e apostaram no voto, com o objetivo de mudar a realidade.

“Os resultados destas eleições mostraram muito bem de que lado estão os estudantes que defendem a educação, o PROUNI, o FIES, o Ciências sem Fronteiras e as políticas voltadas à periferia”, realçou a secundarista.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.