Liga de surfe estuda colocar drones e ‘espanta-tubarão’ | Boqnews

Surfe

19 DE AGOSTO DE 2015

Liga de surfe estuda colocar drones e ‘espanta-tubarão’

A ideia é que ele oriente os dirigentes e os ajude na a prevenção de ataques de tubarão durante o campeonato.

Por: Éder Fantoni
Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Circuito de surfeO ataque de tubarão ao australiano Mick Fanning, 34, em Jeffreys Bay, na África do Sul, há exatamente um mês, ainda é assunto recorrente entre os membros da WSL (Liga Mundial de Surfe ).

Os diretores da entidade estudam propostas para melhorar a segurança dos surfistas e vão até mesmo contratar um consultor independente para cuidar do assunto.

A ideia é que ele oriente os dirigentes e os ajude na escolha dos melhores equipamentos desenvolvidos para a prevenção de ataques de tubarão e que possam ser utilizados durante o campeonato. A liga já recebeu orientação de várias entidades e até de empresas de equipamentos que trabalham com métodos de segurança no mar.

Entre as propostas colocadas no papel pela WSL estão o aumento de barcos e jet skis durante as baterias, a utilização de drone para fiscalizar o local da prova pelo alto e até a implementação do sistema “Shark Shield”, um aparelho eletrônico que emite sinais elétricos, interfere nos receptores sensoriais do tubarão e o espanta.
O “Shark Shield” fica preso no tornozelo do surfista e pode ser colocado também nas boias que isolam a área de competição.

“Nós estamos procurando uma pessoa de gabarito e que já trabalhe com esse tipo de segurança para nos ajudar. Precisamos de um consultor para avaliar tudo o que já foi proposto, como mais barcos, drones e o ‘Shark Shield'”, disse Renato Hickel, diretor da WSL, à reportagem.

“Vai ser feito uma seleção do que a gente vai usar em termos de tecnologia e, então, vamos apresentar para os atletas”, afirmou. A direção da entidade vai se reunir com todos os surfistas do Mundial durante a nona etapa do campeonato, que acontece entre os dias 6 e 17 de outubro, em Landes, na França.

Essas novas tecnologias de segurança, porém, só serão utilizadas nas etapas com grande risco de ataques de tubarão, como os casos de Jeffreys Bay, na África do Sul, e de Margaret River, na Austrália.
Hickel já descartou alguns métodos como a implementação de redes no mar para impedir a entrada de tubarões no local de competição.

“Existem redes em Gold Coast [na Austrália] e em alguns lugares da África. Mas isso não é 100% seguro e é ainda muito criticado por ecologistas. Queremos utilizar métodos que não agridam o meio ambiente. E óbvio que vamos respeitar as medidas locais também”, afirmou.

O ataque contra Fanning, que é tricampeão mundial, foi algo inédito para a liga. O surfista teve sorte, pois saiu do mar com apenas alguns arranhões.

A área de competição das etapas é sempre monitorada. Em Jeffreys Bay, por ser uma praia perigosa, há sempre uma lancha e dois jet skis na água, que estão lá só para observar a presença de tubarões. Na areia da praia, há salva-vidas e até olheiros, que estão sempre em alerta.

No caso do mês passado, nada foi visto. Só foram notar a presença do tubarão quando o animal já estava atacando Fanning.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.