Foto: Divulgação

Turismo

09 DE SETEMBRO DE 2021

Anvisa não libera volta de cruzeiros marítimos ao Brasil neste momento

Apesar da divulgação de viagens em cruzeiros, Anvisa informa que não há a possibilidade da retomada da temporada de viagens neste momento.

Por: Fernando De Maria

A despeito de agências e operadoras já divulgarem em seus sites a realização de cruzeiros marítimos a partir de novembro, a Anvisa não pretende liberar a volta deles na temporada 2021/22.

Pelo menos, por enquanto.

O Brasil já registra mais de 585 mil óbitos pela doença e, apesar da queda de vítimas fatais em relação a meses anteriores, foram 753 mortes na última quinta (9) somente pela Covid.

Assim, diante do atual cenário, o órgão federal enfatizou que o momento ainda não permite a retomada das atividades no setor de cruzeiros.

“As evidências de caráter sanitário e epidemiológico nos planos nacional e internacional, que sustentam as manifestações técnicas da Anvisa a fim de proteger a saúde da população, não autorizam, neste momento, a reavaliação do posicionamento da Agência sobre a suspensão da temporada de cruzeiros marítimos no Brasil”, informou a assessoria da Anvisa, em nota encaminhada ao Boqnews.

Após a repercussão da reportagem do boqnews.com – reverberada por outros veículos de comunicação do País – a Anvisa enviou nota complementar hoje à tarde ressaltando seu caráter de assessoria nesta discussão

“A Agência, porém, esclarece que, nos termos da Lei 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, que dispõe sobre as ações para enfrentamento da pandemia provocada pelo novo coronavírus, medidas de restrição excepcional e temporária de rodovias, portos ou aeroportos são de competência conjunta dos Ministros de Estado da Saúde, da Justiça e Segurança Pública e da Infraestrutura.

Reforçamos que a posição da Anvisa se coloca enquanto órgão de natureza assessorial aos ministérios envolvidos”, complementou.

Cruzeiros marítimos e Delta

Não bastasse,  a variante Delta não permite garantir uma melhora da situação, ainda que ocorra o avanço da vacinação.

Por sua vez, o Ministério da Saúde inicia a partir de quarta (15), um reforço na imunização – terceira dose – contra a Covid-19 para idosos acima de 70 anos e imunossuprimidos.

Dessa forma, essa é a nova recomendação da pasta para a campanha de vacinação para enfrentamento da pandemia.

Por suz vez, o reforço vale para quem tomou qualquer vacina usada na campanha nacional de vacinação contra a Covid-19 e será realizado, preferencialmente, com uma dose da Pfizer/BioNTech.

Assim, na falta desse imunizante, a alternativa deverá ser feita com as vacinas de vetor viral, Janssen ou Astazeneca

Por sua vez, em São Paulo, as doses estão sendo aplicadas para quem tomou a Coronavac.

No entanto, no caso de Santos, a vacinação da terceira dose  para idosos acima de 85 anos ocorre a partir desta sexta (10).

Por sua vez, na vizinha São Vicente, para quem tem mais de 60 anos.

Pacotes

Por sua vez, empresas do setor já comercializam pacotes, enfatizando os cuidados com a Covid.

Alguns, como de cantores famosos, já estão com cabines esgotadas.

Na MSC, por exemplo, a temporada 2021/2022 na América do Sul  contará com quatro navios: MSC Seaside, MSC Preziosa, MSC Splendida e MSC Sinfonia, com embarques no Brasil.

Por fim, como não há garantia da retomada dos navios, a empresa lançou um programa de reservas flexíveis para todos os cruzeiros, com embarque até setembro de 2022, mas reservados até o dia 30 de setembro.

No caso de saída de Santos, maior porto da América do Sul, estão previstas saídas nos dias 17 e 23 de novembro no MSC Preziosa.

E também em 29 de novembro (Santos – Ilha Grande – Búzios).

Já a empresa Costa divulga viagens pelo Costa Fascinosa (Santos – Montevideu – Buenos Aires), em dezembro.

Por sua vez, outra no final de novembro (Santos – Camboriu – Ilha Bela – Santos)

Além disso, também pelo Costa Smeralda em fevereiro de 2022 (Santos – Salvador – Ilhéus – Santos).

 

Santos

Por sua vez, os cruzeiros marítimos têm um impacto positivo na economia das cidades que têm terminais de passageiros.

No caso de Santos, estima-se que R$ 330 milhões deixaram de circular na economia na última temporada (20/21) em razão da pandemia, com base no total de pessoas que circulam pelo terminal de passageiros.

Já o prefeito de Santos, Rogério Santos, assegura que vê com bons olhos a retomada dos navios, desde que seguindo todos os protocolos de segurança.

Por sua vez, posição contrária de médicos, como o ex-presidente da Anvisa e ex-secretário de Saúde de Santos, Claudio Maierovitch.

“Cruzeiro marítimo é celeiro de transmissão de doenças”, enfatizou o médico sanitarista durante participação no Jornal Enfoque – Manhã de Notícias de 23 de julho.

 

Médicos 

No início de agosto, várias autoridades foram entrevistadas pelo jornalista Francisco La Scala quando o tema foi abordado.

Por exemplo, o secretário de Saúde de Santos, Adriano Catapreta, também entrevistado no Jornal Enfoque.

“Não é a hora de fazer aglomerações”, salientou no início de agosto.

Além disos, do prefeito de Guarujá, Valter Suman, que é médico, dias depois no mesmo programa.

“Não vejo condições sem extremo rigor sanitário. Se não for assim, não tem cruzeiro marítimo”, salientou.

 

Turismo

Por sua vez, o secretário de Turismo do Estado, Vinicius Lummertz, tem posição distinta e é a favor da retomada dos cruzeiros, colocando-se à disposição para avançar nesta discussão com as partes envolvidas.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.