Foto: Divulgação

Mercado

28 DE MAIO DE 2015

Com estoque parado, GM deve demitir em junho

Queda de 17% nas vendas do setor no primeiro trimestre faz com que empresa prepare pacote de demissões e férias coletivas

Por: Folhapress

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}
A GM não é a única a fazer ajustes. No dia 18, a Mercedes Benz informou que demitirá 500 funcionários no ABC. Em maio, a Ford abriu um programa de demissão voluntária e congelou salários até 2016

A GM não é a única a fazer ajustes. No dia 18, a Mercedes Benz informou que demitirá 500 funcionários no ABC. Em maio, a Ford abriu um programa de demissão voluntária e congelou salários até 2016

Com estoques de automóveis se acumulando em meio a queda de 17% nas vendas do setor no primeiro trimestre, a General Motors prepara um pacote de demissões, férias coletivas e lay offs que devem parar completamente a fábrica de São Caetano do Sul no mês de junho.

A unidade, que tem estoques de 80 mil veículos, deve deixar de produzir 12 mil carros no mês, segundo Francisco Nunes, vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul.

A fábrica de São José dos Campos também pode ter a produção afetada. No começo de março, a GM confirmou plano de demissão que pode chegar a 1.500 funcionários em fábricas de São Paulo.Procurada por telefone e por e-mail, a GM não se manifestou.

Segundo o sindicato, a empresa avisou que 819 trabalhadores de São Caetano que estão atualmente em lay off e deveriam voltar ao trabalho no dia 10 de junho serão demitidos.

No lay off, o trabalhador tem o contrato suspenso e deixa de ir à empresa, mas recebe salário, pago em parte pelo governo com verbas do fundo de amparo ao trabalhador e completado com recursos da empresa.

Além do lay off, a GM de São Caetano deve colocar 5.000 metalúrgicos em “day off” do dia 1º ao dia 10 de junho, o que irá parar a produção completamente, afirma o sindicato.

No “day off”, o trabalhador deixa de ir à empresa, mas continua recebendo. O período é descontado do banco de horas trabalhadas, ou adicionado como horas em débito com a empresa -a serem descontadas quando o ritmo de produção aumentar, por exemplo.

Do dia 11 ao dia 28 de junho, o “day off” deve ser seguido por um período de férias coletivas, também para os 5.000 trabalhadores.

Segundo o Sindmetalsjc (Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos), a GM também informou que há possibilidade de férias coletivas na unidade local.

Elas devem atingir o setor que produz o modelo de camionete S10, da marca Chevrolet, que conta com 1.700 trabalhadores.

Não está claro se todos eles podem ser atingidos, ou se as férias seriam para apenas parte da linha de produção.

Em fevereiro, os trabalhadores da unidade de São José chegaram a entrar em greve por seis dias, reivindicando garantia de que 798 funcionários não fossem demitidos quando voltassem de lay off que termina em agosto.

SETOR AUTOMOTIVO EM CRISE

A GM não é a única a fazer ajustes. No dia 18, a Mercedes Benz informou que demitirá 500 funcionários no ABC. Em maio, a Ford abriu um programa de demissão voluntária e congelou salários até 2016.

No primeiro quadrimestre, 250 concessionárias foram fechadas, e 12 mil funcionários, demitidos. O setor tem contribuído para a alta do desemprego, que atingiu 6,4% em abril.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.