Suas finanças

Como escolher o plano de Previdência Privada ideal

PGBL e VGBL são planos de Previdência Privada apontados como alternativas para os contribuintes que querem garantir um complemento na aposentadoria no futuro, sem depender apenas da Previdência Social.

30 de abril de 2019 - 18:12

Publieditorial

Compartilhe

Em um cenário de incertezas, o trabalhador brasileiro tem se voltado cada vez mais para soluções capazes de substituir ou complementar a previdência social.

É por isso que a  Previdência Privada precisa ser melhor compreendida.

Existem diferentes tipos de planos de previdência para quem pretende se preparar para aposentadoria.

Saber diferenciá-los é importante para que a escolha seja adequada.

Basicamente, essa diferença se dá em relação aos tipos de planos e as possibilidades que cada um deles apresenta.

 

Previdência privada é alternativa em relação à Previdência social para garantir um futuro mais tranquilo. Foto: Divulgação

Planos abertos e fechados

 

Em relação ao tipo, os planos podem ser abertos ou fechados.

Planos abertos são produtos criados por instituições financeiras para o público em geral.

Eles se dividem entre PGBL e VGBL.

Os planos fechados, também conhecidos como fundos de pensão, são planos de benefícios de Entidades Fechadas de Previdência Complementar.

Na prática, a diferença entre eles é que os planos abertos estão disponíveis para todos os públicos, bastando o investidor recorrer a uma instituição autorizada, como uma corretora de valores para fazer o investimento.

Já no caso dos planos fechados, eles são acessíveis a grupos específicos, como as entidades de classe.

 

PGBL e VGBL

Sigla para Plano Gerador de Benefício Livre, o PGBL é indicado para pessoas que procuram um plano de previdência complementar à previdência social e para quem entrega a declaração completa do Imposto de Renda, pois sua incidência se dá sobre o valor total a ser retirado.

VGBL significa Vida Gerador de Benefício Livre.

É um plano de previdência que costuma ser mais interessante para quem se preocupa com o planejamento sucessório, ou seja, pessoas que precisam definir e registrar os herdeiros.

Além disso, o VGBL é ideal para quem não contribui para a previdência social e faz o modelo simplificado de declaração do IR, pois sua incidência se dá não sobre o valor total investido, mas sim sobre os rendimentos.

 

Investimentos garantem alternativas para enfrentar mudanças na economia

Fundos de pensão

As opções restritas a colaboradores ou profissionais específicos geralmente são benefícios concedidos pelo empregador.

Elas não possuem fins lucrativos, o que faz com que seu custo seja relativamente baixo.

São comuns tanto em empresas públicas quanto em instituições privadas.

Nos fundos de pensão, o funcionário faz a sua contribuição e a empresa complementa o que foi investido com 15, 20 ou 50% restantes, dependendo daquilo que foi acordado previamente entre as partes.

 

 

Como escolher o melhor plano de previdência privada

Além de conhecer os tipos, o investidor precisa ter em mente os regimes de tributação existentes.

Eles podem ser regressivos ou progressivos.

O diferencial da tributação regressiva é que ela considera o tempo de permanência do investidor no fundo, assim, quanto maior é o período, menor é a alíquota.

Nesse modelo, a alíquota é de 35% da adesão até 2 anos e cai 5% a cada 2 anos, chegando a 10% em 10 anos.

A tributação progressiva, por sua vez, apresenta alíquotas que vão de zero a 27,5%, dependendo do valor retirado.

Assim, quanto maior a renda, maior a alíquota.

No resgate, existe também uma alíquota de 15% de Imposto de Renda na fonte.

Esse modelo é mais indicado para quem pretende se aposentar em pouco tempo.

Também é necessário observar as taxas de carregamento (que podem ser antecipadas, postecipadas ou híbridas) e de administração, que dizem respeito às despesas da instituição que oferece o plano.

Em resumo, a escolha do melhor plano de previdência tem a ver com o entendimento dos diferentes tipos existentes.

Além dos regimes de tributação, as taxas e, consequentemente, o retorno que cada um deles pode trazer.

LEIA TAMBÉM: