Como votaram os deputados federais paulistas que aprovaram o fundão de R$ 5,7 bi | Boqnews
Foto: Divulgação

Recursos públicos

17 DE DEZEMBRO DE 2021

Como votaram os deputados federais paulistas que aprovaram o fundão de R$ 5,7 bi

Rosana Valle, Marcelo Squassoni, Samuel Moreira foram contrários ao aumento. Jr Bozzella votou favoravelmente ao reajuste de R$ 2 bi para R$ 5,7 bi.

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

O Congresso Nacional derrubou, nesta sexta-feira (17), o veto do presidente Jair Bolsonaro aos R$ 5,7 bilhões previstos no projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o fundo de financiamento de campanhas eleitorais nas eleições de 2022.

Assim, a verba foi aprovada por 317 votos a favor e 146 contra.

No Senado, foram 53 votos a favor e 21 contra.

No entanto, devido a soluções tecnológicas diferentes, as sessões do Congresso, antes conjuntas, têm sido realizadas separadamente em cada Casa.

Por sua vez, o veto foi inicialmente rejeitado na Câmara e, depois, no Senado.

Dessa forma, o Novo anunciou que irá ao STF – Supremo Tribunal Federal para questionar o aumento dos valores.

Assim, inicialmente, o valor previsto era de R$ 2 bilhões.

Assim, com a decisão, praticamente triplicou.

Por sua vez, da Baixada Santista e Vale do Ribeira, Rosana Valle (PSB), Marcelo Squassoni (Republicanos) e Samuel Moreira (PSDB) foram contrários ao aumento.

Já Jr Bozzella, um dos mentores do União Brasil (fusão PSL-DEM), votou favoravelmente ao reajuste e contrário ao veto presidencial.

Contrários ao aumento de R$ 2 bi para R$ 5,7 bi

Deputada Rosana Valle (PSB)

 

Samuel Moreira (PSDB)

 

Marcelo Squassoni

 

Favorável ao aumento de R$ 2 bi para R$ 5,7 bi

Jr Bozzella (PSL)

 

Debate

Por sua vez, a deputada Adriana Ventura (Novo-SP) defendeu a manutenção do veto por ser contrária ao uso de recursos públicos em campanhas.

“Estamos tratando do dinheiro do cidadão para financiar campanhas políticas de qualquer partido e de candidatos que o dono do partido escolhe. É um valor vergonhoso que o cidadão paga para todo os partidos e candidatos ao bel prazer”, disse.

Além disso, ela afirmou que o recurso público vai servir para perpetuação de “caciques políticos” responsáveis pelo gerenciamento dos recursos do fundo eleitoral.

“Isso não dá acesso, isso não traz renovação política”, disse.

Por sua vez, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), no entanto, destacou que o Supremo Tribunal Federal (STF) vetou o financiamento de empresas.

Dessa forma, para ele, o uso dos recursos públicos garante lisura ao sistema político.

“Quando nós somos financiados pelo dinheiro público, não ficamos devendo favores, não ficamos na condição de ter que atender a quem nos financiou, e isso é uma conquista para a democracia”, disse.

Assim, Chinaglia afirmou que os valores serão rediscutidos durante a votação da lei orçamentária, já que a LDO estabelece o limite de recursos, mas não obriga o gasto.

“Isso será discutido exatamente na votação do Orçamento para o próximo ano, quando se tem a oportunidade de definir o valor”, apontou.

Dinheiro não faltará para as campanhas dos caciques dos partidos. Enquanto isso, o povo…

Valores

Dessa forma, o senador Marcelo Castro (MDB-PI) também afirmou que a derrubada do veto ao fundo eleitoral não significa necessariamente a manutenção de seu valor.

“O valor do fundo poderá ser intermediário, conforme parecer do relator do Orçamento, mas para isso o veto precisa ser derrubado porque o Brasil não tem mais financiamento privado de campanha em decisão acertada do Supremo Tribunal Federal”, afirmou.

Assim, para o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o foco do debate deve ser o valor.

“Os líderes e presidentes de partidos passam a ser gestores de verdadeiras montanhas de dinheiro público que deveriam ir para o saneamento público, para obras”, contestou.

“O PT já nasceu defendendo o financiamento público de campanha. A discussão do tamanho do fundo será outra”, disse o senador Paulo Rocha (PT-PA).

 

Veja como votaram os 70 deputados paulistas

(sim equivale a concordar com o veto presidencial, que limita o repasse em R$ 2 bilhões. Não, pede R$ 5,7 bilhões)

  • Abou Anni (PSL-SP) -votou Não
  • Adriana Ventura (Novo-SP) -votou Sim
  • Alencar S. Braga (PT-SP) -votou Não
  • Alex Manente (Cidadania-SP) -votou Sim
  • Alexandre Frota (PSDB-SP) -votou Sim
  • Alexandre Leite (DEM-SP) -votou Não
  • Alexandre Padilha (PT-SP) -votou Não
  • Alexis Fonteyne (Novo-SP) -votou Sim
  • Arlindo Chinaglia (PT-SP) -votou Não
  • Arnaldo Jardim (Cidadania-SP) -votou Sim
  • Baleia Rossi (MDB-SP) -votou Não
  • Bozzella (PSL-SP) -votou Não
  • Bruna Furlan (PSDB-SP) -votou Sim
  • Carla Zambelli (PSL-SP) -votou Sim
  • Carlos Sampaio (PSDB-SP) -votou Sim
  • Carlos Zarattini (PT-SP) -votou Não
  • Celso Russomanno (Republican-SP) -votou Sim

E ainda…

  • Cezinha Madureira (PSD-SP) -votou Não
  • Eduardo Cury (PSDB-SP) -votou Sim
  • Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) -votou Sim
  • Eli Corrêa Filho (DEM-SP) -votou Sim
  • Ely Santos (Republican-SP) -votou Não
  • Enrico Misasi (PV-SP) -votou Sim
  • Fausto Pinato (PP-SP) -votou Não
  • General Peternelli (PSL-SP) -votou Sim
  • Geninho Zuliani (DEM-SP) -votou Sim
  • GilbertoNasciment (PSC-SP) -votou Não
  • Guiga Peixoto (PSL-SP) -votou Sim
  • Guilherme Derrite (PP-SP) -votou Sim
  • Guilherme Mussi (PP-SP) -votou Não
  • Herculano Passos (MDB-SP) -votou Não
  • Ivan Valente (PSOL-SP) -votou Sim
  • Jefferson Campos (PSB-SP) -votou Sim
  • Kim Kataguiri (DEM-SP) -votou Sim
  • Luiz Carlos Motta (PL-SP) -votou Não
  • Luiz P. O.Bragança (PSL-SP) -votou Sim
  • Marcelo Squassoni (Republican-SP) -votou Sim
  • Marcio Alvino (PL-SP) -votou Não
  • Miguel Haddad (PSDB-SP) -votou Sim
  • Milton Vieira (Republican-SP) -votou Não

Também…

  • Nilto Tatto (PT-SP) -votou Não
  • Orlando Silva (PCdoB-SP) -votou Não
  • Paulo Freire Costa (PL-SP) -votou Sim
  • Paulo Pereira (Solidaried-SP) -votou Não
  • Paulo Teixeira (PT-SP) -votou Não
  • Policial Sastre (PL-SP) -votou Sim
  • Pr Marco Feliciano (PL-SP) -votou Não
  • Renata Abreu (Podemos-SP) -votou Sim
  • Ricardo Izar (PP-SP) -votou Não
  • Ricardo Silva (PSB-SP) -votou Sim
  • Roberto de Lucena (Podemos-SP) -votou Sim
  • Rodrigo Agostinho (PSB-SP) -votou Sim
  • Rosana Valle (PSB-SP) -votou Sim
  • Rui Falcão (PT-SP) -votou Não
  • Sâmia Bomfim (PSOL-SP) -votou Sim
  • Samuel Moreira (PSDB-SP) -votou Sim
  • Tabata Amaral (PSB-SP) -votou Sim
  • Tiririca (PL-SP) -votou Não
  • Vanderlei Macris (PSDB-SP) -votou Sim
  • Vicentinho (PT-SP) -votou Não
  • Vinicius Carvalho (Republican-SP) -votou Não
  • Vinicius Poit (Novo-SP) -votou Sim
  • Vitor Lippi (PSDB-SP) -votou Sim

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.