Pré-sal produzirá 7,7 bilhões de barris de óleo em partilha até 2032 | Boqnews
Foto: Divulgação pré-sal

Economia

29 DE NOVEMBRO DE 2022

Pré-sal produzirá 7,7 bilhões de barris de óleo em partilha até 2032

Estimativa da Pré-Sal Petróleo é de que União arrecade US$ 344 bilhões

Por: Akemi Nitahara
Agência Brasil

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

A produção brasileira de petróleo nos campos da camada pré-sal deve somar 7,7 bilhões de barris entre 2023 e 2032 dentro do regime de partilha. Além disso, a destinação é de 1,9 bilhão de barris para a União.

Sendo assim, a estimativa da Pré-Sal Petróleo (PPSA), empresa ligada ao Ministério de Minas e Energia, foi apresentada hoje (29) pelo diretor-presidente da estatal, Eduardo Gerk, durante a abertura do 5º Fórum Técnico Pré-Sal Petróleo.

Dessa forma, o polígono do pré-sal vai do litoral norte de Santa Catarina até o sul do Espírito Santo. Com um área exploratória de 149 mil quilômetros quadrados (km²), a uma profundidade de até 7 mil metros.

Nos contratos de partilha, os custos da operação exploratória são descontados do valor total extraído. E o excedente de óleo que ultrapassar esse valor de custo é partilhado entre a empresa ou consórcio vencedor da licitação da área e a União.

De acordo com Gerk, a estimativa se baseia nos 19 contratos já geridos pela PPSA, somados aos campos de Bacalhau e Tapi, que estão próximos a entrar em operação, e 80% desse volume vêm de campos que já têm declaração de comercialidade.

“Nós temos uma impressionante subida na produção dos poços do petróleo, saindo em 2023 de ordem de 800 mil barris por dia e atingindo perto de 3 milhões de barris por dia lá por volta de 2029, 2030. Já tínhamos apresentado isso no ano passado e estamos ratificando esses números. Fizemos a segmentação entre o que já tem declaração de comercialidade e o que não tem, mas 80% da produção já está praticamente garantida”.

Estimativas

Desse modo, ele destacou que a estimativa de produção total de petróleo no país para 2029 é de 5,4 milhões de barris por dia. Além de ser mais da metade disso proveniente do regime de partilha do pré-sal.

“No próprio ano de 2029, dos 5,4 milhões de barris nós temos 4,3 milhões vindo de todo o pré-sal. Então, quando a gente chega no ponto máximo, uma produção de 2,9 milhões nos contratos de partilha de produção, dos quais a PPSA é responsável por gerir e comercializar esse petróleo. Desse petróleo todo, a parcela da União chega a um patamar perto de um milhão de barris por dia em 2031”.

De acordo com Gerk, com isso a União vai ter uma produção de petróleo diária comparável a países como China, Colômbia, Reino Unido e Venezuela.

Além disso, ele informou, ainda, que a arrecadação prevista com a venda do óleo da União pode chegar a US$ 29,4 bilhões em 2031, acumulando US$ 157 bilhões até 2023.

“O recolhimento com royalties acumulados será da ordem de RS$ 100 bilhões até 2032 e com tributos sobre o lucro das empresas a cifra é da ordem de RS$ 87 bilhões”, completa o executivo. Com isso, as receitas destinadas aos cofres públicos serão de US$ 344 bilhões na próxima década.

Os investimentos previstos para o período são de US$ 72,5 bilhões. Com a necessidade de 21 navios-plataforma (FPSO, da sigla em inglês para Floating Productions Storge and Offloading). Além de 319 poços, entre produtores, injetores e de exploração.

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.