Eleição polêmica

Conselho Tutelar de Santos impugna candidaturas de três eleitos

Candidatos impugnados possuem três dias para entrar com recurso junto ao CMDCA para derrubar decisão. Dois foram eleitos e um é suplente no Conselho Tutelar.

25 de outubro de 2019 - 17:17

Felipe Rey

Compartilhe

Eleição para o Conselho Tutelar deste ano foi marcada por possíveis fraudes eleitorais. Foto: Divulgação

 

O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Santos (CMDCA) impugnou nesta sexta-feira (25) três candidatos vencedores do último pleito, ocorrido no último dia 6.

As informações foram publicadas no Diário Oficial de hoje.

As conselheiras eleitas como titulares Letícia Figueiredo (1.015 votos), Tatiana Branco (918 votos) e o suplente Robson ‘Cabeça’ (814) tiveram as candidaturas impugnadas por supostas irregularidades na campanha eleitoral.

Nesta semana, o Boqnews denunciou que alguns candidatos eleitos teriam sido agraciados com favores de terceiros, inclusive vereadores e grupos religiosos para serem eleitos.

No documento apresentado por 16 candidatos que perderam a eleição ao Conselho Tutelar e enviado ao Ministério Público, os três impugnados aparecem na lista de suspeitos de terem se beneficiado.

Todos, coincidentemente, foram ajudados pela Igreja Bola de Neve, segundo o grupo.

Conforme a denúncia encaminhada ao MP, os candidatos teriam se beneficiado com a oferta de veículos de transporte a eleitores.

E até dinheiro para votação.

O MP informou que está apurando as denúncias e por enquanto não irá se pronunciar.

Contatada, a igreja não respondeu.

 

Defesa

Assim, os conselheiros possuem três dias úteis, a contar de hoje, para apresentar recurso contra a decisão do CMDCA.

Dessa forma, após a apresentação dos recursos, e caso se mantenha a posição do Conselho, o pedido será encaminhado ao Ministério Público para avaliação.

Procurados, os conselheiros não responderam até a publicação da reportagem.

Relembre as denúncias

Na semana passada, 16 conselheiros apresentaram ao MP provas de possíveis fraudes eleitorais no pleito.

Por sua vez, o CMDCA ainda apura outras denúncias feitas pelos candidatos.

Assim, nas alegações, constam ajuda de vereadores locais e deputados nas campanhas de alguns candidatos.

Todos, sem exceções, negaram a realização de boca de urna para conselheiros eleitos.

Confira toda as denúncias e posicionamentos dos envolvidos neste link.