Vereadores definem chapa única para nova Mesa Diretora da Câmara de Santos | Boqnews
Imagem da fachada da Câmara de Santos Foto: Nando Santos Sede da Câmara de Santos

Eleições

27 DE OUTUBRO DE 2022

Vereadores definem chapa única para nova Mesa Diretora da Câmara de Santos

Ao que tudo indica, a possibilidade de duas chapas disputarem qual grupo estará à frente da Mesa Diretora do Legislativo a partir do dia 1º de janeiro está descartada. E os vereadores marcham para o consenso, a despeito das rusgas criadas nos últimos dias. Afinal, apenas uma chapa homologou o interesse de concorrer à presidência. […]

Por: Fernando De Maria

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Ao que tudo indica, a possibilidade de duas chapas disputarem qual grupo estará à frente da Mesa Diretora do Legislativo a partir do dia 1º de janeiro está descartada.

E os vereadores marcham para o consenso, a despeito das rusgas criadas nos últimos dias.

Afinal, apenas uma chapa homologou o interesse de concorrer à presidência.

O prazo se esgotou ontem (26), pois o período determinado legalmente se encerra 72 horas antes da eleição, marcada para a próxima terça (1), a partir das 16 horas.

Isso porque amanhã (28) é feriado para os servidores municipais  – data reservada em homenagem à categoria.

Como o regimento interno da Câmara nada cita sobre feriados para o registro das chapas, há entendimento jurídico que permite vislumbrar a possibilidade  do prazo final se encerrar hoje (27), às 18 horas.

Este é o horário quando se conclui o expediente administrativo da Câmara, retornando apenas na próxima segunda (31).

O assunto é questionável, mas há esta possibilidade.

De qualquer forma, o Boqnews apurou que as chances de reviravolta ‘são mínimas’.

Isso porque a divisão que havia entre ambos os grupos praticamente se dissipou. (Entenda como estava o cenário até o final da semana passada.)

Muitas conversas, telefonemas e até exoneração – com desoneração em menos de 24 horas – do secretário de Meio Ambiente, Marcos Oliveira Libório, ocorreu.

Ele pediu ao prefeito para deixar o cargo, que a acatou. A decisão saiu no Diário Oficial de ontem.

No entanto, uma nova portaria no mesmo Diário Oficial anulou a exoneração no dia seguinte.

Portanto, Libório, vereador eleito, acabou permanecendo na pasta.

 

Bastidores

O vai-e-vem dos bastidores para a eleição da Câmara foi regado a muitas reuniões, conversas ao pé de ouvido e telefonemas com o objetivo de chegar a um consenso e uma tentativa de união na futura chapa.

Assim, o grupo dos 9 – (Rui de Rosis – União, Benedito Furtado – PSB, Sergio Santana – PL, Fábio Duarte – Podemos, Augusto Duarte – PSDB, Ademir Pestana – PSDB, Audrey Duarte – PP, Edivaldo Fernandes, o Chita – PSB e Adriano Piemonte  – União) decidiu lançar Ademir Pestana à presidência.

Já os demais vereadores acertaram o apoio a Carlos Teixeira Filho, também do PSDB.

O grupo foi criado desde o ano passado e o processo de escolha do nome ocorreu de forma natural.

Isso ficou mais claro quando Fabrício Cardoso (Podemos) abriu mão de disputar a presidência, abrindo espaço para Teixeira.

A exceção foi Débora Camilo (PSOL), que anunciara anteriormente que não apoiaria qualquer das chapas.

Assim, o racha no ninho tucano estava claro.

E para evitar reflexos nas eleições municipais de 2024, havia urgência na união.

Afinal, o prefeito Rogério Santos pertence ao PSDB e atritos poderiam prejudicar a relação entre o Executivo e Legislativo, ainda mais com o olhar para as eleições municipais de 2024.

Bombeiros

Dessa forma, uma corporação de ‘bombeiros’  entrou em ação para apaziguar os ânimos.

No final, dois nomes que estavam no grupo dos 9 (ou dos 8, caso houvesse o retorno de Marcos Libório e a saída de Edivaldo Fernandes, suplente do PSB) mudaram de lado.

Casos dos tucanos Ademir Pestana e Augusto Duarte, que agora apoiam o seu colega de partido, Cacá Teixeira.

Antes, porém, houve uma tentativa – sem sucesso – de tentar atrair os vereadores do PT (Chico Nogueira e Telma de Souza) com a possibilidade até de presidir a chapa.

Sem sucesso, buscou-se então uma composição dos dois grupos.

No entanto, o pedido feito era alto: duas secretarias e uma vice-presidência, do total de cinco vagas em disputa.

Sem acordo, o grupo dos 11 vereadores como estava até o final de semana agora é conhecido como o grupo dos 13, com a chegada de Pestana e Duarte.

E há expectativa de pelo menos outros três vereadores também entrarem no grupo em breve.

“Outros nomes devem vir na sequência”, diz um vereador, que pediu o anonimato.

Cacá Teixeira é o nome de consenso entre a maioria para presidir a Câmara Foto: Felipy Brandão/Arquivo

Futura Mesa Diretora

Dessa forma, a única chapa registrada preencherá os seguintes cargos da Mesa Diretora a partir de 2023:

  • Carlos Teixeira (Cacá Teixeira) – (PSDB) – presidente
  • Vereador do PRB (Roberto de Jesus ou Paulo Miyasiro) – 1º vice
  • Francisco Nogueira (PT) – 2º vice
  • Lincoln Reis – (PL) – 1º secretário
  • João Neri – (PSD) – 2º secretário

Vale lembrar que os secretários é que ‘tocam’ junto com o presidente o dia-a-dia da Câmara.

Ou seja, qualquer assinatura precisa ser feita pelo presidente e por um secretário – como ocorre, muitas vezes, entre o síndico e subsíndico, por exemplo.

Se não houver afinidade, a ‘máquina’ emperra, dificultando a manutenção das atividades do Legislativo, como ocorrido recentemente quando, por divergências entre membros da Casa, acabou faltando até água para consumo.

 

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.