Arte de Conviver
Laercio Garrido

Professor universitário e escritor.

Como usar o poder

27 de fevereiro de 2014 - 20:29

Compartilhe

O que significa ter poder? O poder é negativo ou positivo para a relação entre as pessoas? Esse tema tem sido objeto de muitas discussões e interpretações diferentes. É importante analisar o poder somente quando as pessoas interagem entre si, cada uma exercendo influência sobre as demais.
Muitos confundem autoridade com poder. São conceitos próximos, mas não iguais. Autoridade é o exercício do poder formal outorgado pela empresa, denominado também de poder de posição. Este pode ou não ser transformado pelo gerente em poder pessoal. Se isso ocorre o gestor terá o seu poder reconhecido e legitimado pelas pessoas de sua rede de relacionamento.Ninguém consegue fazer tudo o que quer só pelo cargo que ocupa. É preciso mais do que isso para influenciar os outros, principalmente os subordinados.  
Quando alguém atua como um chefe autocrata que reza pela cartilha do “manda quem pode e obedece quem tem juízo”, seu poder se restringirá ao cargo. Ele não terá a admiração e respeito da equipe e sim uma submissão aparente por medo de represálias. Quando o gestor exerce o verdadeiro papel de líder, esforçando-se para apoiar, respeitar e desenvolver seus liderados, o seu poder pessoal será aceito e reforçado por todos. 
O poder positivo da liderança sempre trará consequências benéficas para o líder, sua equipe e a empresa. O poder do chefe autoritário que se baseia exclusivamente no binômio domínio e controle será negativo para os envolvidos e a organização. O mesmo ocorre com o fogo que pode tanto provocar a destruição em massa como acender a vela de aniversário do ente querido. 
O poder tem a força de modificar as pessoas, geralmente para pior, deixando-as muitas vezes irreconhecíveis. É muito difundido e aceito como verdade o fato que para realmente se conhecer o caráter de alguém nada melhor do que dar-lhe poder. As pessoas não podem deixar emergir o orgulho, a falta de ética, a soberba ou a mesquinhez, “afogando” a humildade positiva, a compaixão, a integridade e o respeito pelos outros.
Não utilizar o poder é tão prejudicial quanto abusar dele. O gestor “bonzinho” ou passivo que desiste de perseguir com garra os objetivos estabelecidos gera prejuízos para a empresa ou o seu negócio. Seus subordinados sentem-se perdidos pela ausência de apoio e orientação, tomando iniciativas erradas ou nada fazendo. 
Existem quatro tipos de poder. O poder de posição ou cargo representado pela autoridade investida através da organização. O poder pessoal ou poder de liderança, assumido pelas pessoas que conduzem suas equipes ao sucesso. O poder do especialista que detém grande conhecimento e experiência em determinado campo, possibilitando a influência técnica ou funcional sobre os outros. O poder de relacionamento que confere ao gestor o acúmulo de informações e influência positiva recebidos de sua rede social. Este vem se tornando cada vez mais vital pela complexidade crescente do mundo contemporâneo e a necessidade de se priorizar a conversa “olho no olho” sobre o contato digital nas situações sensíveis.
As pessoas não podem se deixar levar pelas formas negativas do poder, poisa qualidade da relação se deteriora pela quebra da confiança e respeito.   

Texto do livro “A Arte de Conviver”.