Panorama Regional
Fernando De Maria

Lições da passarela

19 de fevereiro de 2010 - 20:08

Compartilhe

Cinco anos após o ressurgimento do Carnaval santista, tradicional manifestação popular interrompida na Administração Mansur, já é possível perceber os avanços que ocorrem nas agremiações carnavalescas, que, aos poucos, voltam a se fortalecer, ainda que, em sua maioria, às custas do dinheiro público.
O retorno do Carnaval já rendeu agradáveis frutos, como a escola de samba Vila Mathias, nascida em 2008 e que em 2011 desfilará pela primeira vez no grupo especial ao lado das tradicionais agremiações.
Outras, porém, começam a perceber que a disputa está cada vez mais acirrada e qualquer falha pode ser fatal. Exemplos não faltam, como o da Unidos da Zona Noroeste, que já fez desfiles contagiantes, mas não conseguiu retornar à elite em 2011, após a queda no ano passado. Outra vitoriosa que amargará a divisão de acesso  será a tradicional escola de samba Brasil. Sinal dos tempos.
Alguns pontos já podem ser considerados neste curto período. A Administração Municipal tem se esforçado em garantir recursos a tempo para o bom funcionamento do espetáculo, assim como a infraestrutura oferecida na Passarela do Samba Dráusio da Cruz, local ideal para os desfiles. A questão será no futuro próximo, com a construção de edifícios no entorno da avenida, o que dificultará o acesso à via. 
Afinal, assim como em outras localidades, a Zona Noroeste também passa por transformações profundas e ganhará na próxima semana uma unidade da rede atacadista holandesa Makro, diminuindo o espaço livre existente junto à passarela. Em breve, a região abrigará outra rede atacadista, a quarta na avenida, mostrando o quanto aquele trecho da divisa com São Vicente vem sendo cobiçado pela iniciativa privada.
Quanto às escolas, algumas já começam a investir em escolinhas para formação de músicos, além de mestres-salas e porta-bandeiras, atraindo a comunidade, a real razão de existência destas agremiações.
Porém, outras ainda estão distante deste panorama e necessitam acordar para a nova realidade iniciando o  processo de profissionalização que garanta-lhes condições de sustentabilidade para que o Carnaval santista volte a ter o brilho de outrora, independente do governante que estiver no poder.
Além disto, a Liga das Escolas de Samba também tem papel importante para o fortalecimento da festa. No entanto, alguns pontos precisam ser revistos para que o espetáculo não perca a sua grandeza, como a excessiva demora na entrada das escolas na avenida. Afinal, o elevado tempo de espera entre uma agremiação e outra desvaloriza o espetáculo, afugenta a audiência e, é claro, assusta eventuais patrocinadores.