Arte de Conviver
Laercio Garrido

Professor universitário e escritor.

O estresse

04 de julho de 2013 - 19:37

Compartilhe

Nos caminhos da vida, o estresse é o vilão ou o mocinho? Pode ser uma coisa ou outra, dependendo do tipo de personalidade da pessoa e como ela o administra. Ele representa o custo que se paga, pelo desgaste da energia emocional e física em conseqüência de suas respostas às pressões do ambiente. 
Quando ele se instala pode trazer benefícios estimulando o indivíduo a vencer seus desafios. No entanto, com maior frequência ele acarreta um ônus que o organismo não consegue gerenciar. Neste caso, a pessoa precisa gastar mais energia do que tem e como não consegue, surgem as doenças cardíacas, depressão, úlceras, fadiga crônica, insônia, perda de apetite, redução da memória, incapacidade de concentração e de relacionamento, entre outras. 
O corpo humano tenta se defender do estresse em três estágios sequenciais: alarme, resistência e exaustão. Na reação de alarme, o organismo ao perceber uma ameaça, libera os hormônios adrenalina e cortisona elevando os batimentos cardíacos e a pressão arterial. Se o estresse se dissolve, tudo bem, caso contrário, aparece o estágio da resistência no qual o corpo concentra toda a atenção em combatê-lo, começa a ficar cansado e mostra sinais que está enfraquecendo. 
Aparecem sintomas como dor de cabeça, gripes constantes e falta de memória e concentração. Caso o estresse persista, surge a reação de exaustão o que significa que o corpo perde a capacidade de resistir, apresentando enfermidades mais severas. 
O ser humano deve adotar as seguintes estratégias para cuidar do estresse com excelência:
Ter autoconsciência emocional para manter a sintonia entre o pensar e agir e os seus valores. Lutar consigo mesmo num sentimento de culpa por ter violado um valor importante, é uma batalha difícil de vencer. 
Cuidar da própria saúde com uma alimentação saudável, praticando regularmente exercícios aeróbicos como correr ou andar e descansando o suficiente. 
Utilizar técnicas simples de relaxamento muscular nos momentos de tensão repetindo algumas vezes o respirar fundo soltando o ar pela boca ou a pressão das mãos entrelaçadas atrás da nuca com os cotovelos levantados ou a contração e descontração do corpo ou o girar da cabeça pendendo para frente em volta do pescoço. Outras técnicas de maior complexidade podem também ser usadas como a meditação e a visualização.
Solicitar a ajuda de amigos ou de profissionais especializados.
Buscar o equilíbrio entre a vida pessoal e a profissional. Não se transformar num workaholic ou maníaco por trabalho, reservando parte do tempo para o convívio com a família e atividades de lazer.
Manter-se afastado dos relacionamentos destrutivos “deletando” aqueles que possam causar um estresse profundo.
Para enfrentar o estresse com sucesso é importante encarar os eventos do dia a dia com humor e otimismo. Jamais esquecer que ele tanto pode ser um amigo fiel como um inimigo cruel e poderoso.