Panorama Regional
Fernando De Maria

Quando outubro chegar

04 de abril de 2014 - 16:27

Compartilhe

Na última semana, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) retornou à região onde, como de praxe, fez uma série de anúncios de investimentos, como um novo aporte para obras complementares do Veículo Leve sobre Trilhos, ligando a Estação de Transferência na Avenida Conselheiro Nébias ao Porto, algo que era previsto no projeto original, mas não foi autorizado anteriormente não se sabe o porquê.

Com isso, a primeira etapa da via onde passarão os veículos ganhará mais 1,5 quilômetros até chegar ao porto, atendendo parcela dos trabalhadores portuários e também espaço para estacionamento e manutenção das composições.

O governador também anunciou uma segunda unidade do Poupatempo em São Vicente, que funcionará no antigo Mercado Municipal da cidade, e a liberação de R$ 8 milhões para a implementação do CCO – Centro de Controle Operacional para a prefeitura de Santos, de forma que o município amplie o volume de câmeras de monitoramento para o trânsito e segurança.

Outro anúncio a ser destacado foi o reforço de novas viaturas e mais 200 policiais por dia em toda a Baixada por meio da Diária Especial por Jornada Extraordinária de Trabalho Policial Militar, atividade que permitirá que até 3 mil PMs se revezem para trabalhar nos dias de folga com direito a acréscimo na remuneração com pagamento feito pelo próprio Estado, ao contrário da Atividade Delegada, onde o município é o responsável pelo reembolso da atividade extraordinária.

A iniciativa talvez seja uma resposta aos crescentes índices de insegurança que a Baixada Santista sofre, conforme levantamentos da própria secretaria estadual, com dados do ano pasado. Nossos índices preocupam e o governador teme que isso seja explorado – o que certamente será – em um ano eleitoral.

Vamos aos números: de forma geral, as cidades da Baixada Santista registram índices superiores que a média do estado. Excluindo estranhamente Praia Grande (basta indagar qualquer morador da cidade para verificar que há algo esquisito nos números apresentados), todas as demais cidades da Baixada registram aumentos em índices de (in) segurança.

Os santistas, por exemplo, têm 24% mais riscos de serem furtados que a média dos paulistas. E chances 15% maiores de serem roubados (com emprego de violência física), praticamente o mesmo índice de Guarujá.

As cidades do litoral sul (Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe) também registram índices preocupantes, especialmente quanto a roubos, furtos e homicídios (em termos proporcionais, Peruíbe é a cidade com maior risco de alguém ser assassinado. A chance é 71% maior que a média paulista).

Nada, porém, supera Cubatão. O município lidera o volume de roubos na Baixada Santista, com quase 50% mais homicídios e 29% mais roubos que a média paulista.

Ou seja, com indicadores tão ruins não é à toa que o governador divulgue tais investimentos em segurança. Afinal, outubro está chegando…