Vida & Prazer
Marcia Atik

Psicóloga clínica e terapeuta sexual e de casal

Rotina sufocante

Leia a coluna Vida & Prazer

03 de maio de 2016 - 15:23

Compartilhe

Construir e enaltecer a rotina como uma necessidade colabora com uma real organização da vida pessoal, profissional e familiar, fazendo com que utilizemos nosso banco de horas que tem um saldo de apenas 24 horas diárias de maneira consciente e contemplando as nossas demandas.

Precisamos de alguma rotina, certa calmaria em nossas vidas, mas hoje, apesar de ter iniciado essa conversa enaltecendo a rotina, tenho neste texto o real desejo de valorizar e refletir um pouco sobre a imprevisibilidade, o caos, a surpresa, pois não quero falar de vida, organização, horários, mas de afetos, sexo, relacionamento.

Não preciso de uma bola de cristal para dizer que mesmo quando um casal é bem ajustado, que se comunica, mas que está muito previsível fica sem o espaço da paixão, que é justamente aquilo que acontece com pessoas que não se conhecem.

A paixão está muito ligada ao mistério, à novidade o que é possível sim, dentro de um casamento por mais antigo que ele seja, apesar de tantos discursos ao contrário.

Parceiros que estão sempre em crescimento, que tem interesses e suas vidas próprias, trazendo coisas novas para o relacionamento estarão sempre despertando atenção, emoção e curiosidade em suas parcerias.

Para entender isso basta lembrar de seus amigos que vem sempre com os mesmos assuntos ou queixas, quando se aproximam de você já trazem junto uma sensação de “dejá vu”que torna o encontro maçante. O mesmo acontece com os relacionamento mais íntimos num grau bem maior.

Nesse sentido vale ressaltar a importância de mudarmos nossos conceitos de que casal que se basta, em que um sempre está suprindo e adiantando as necessidades do outro é o casal perfeito. Neste tipo de relação não há brechas para a emoção, entre elas a sensação ou medo da perda, o ciúmes etc..

Parece que faço apologia ao ciúmes, mas não é isso, pois se sabemos do risco de perder algo cuidamos mais, nos interessamos mais e principalmente surpreendemos mais.

Portanto, reveja seu relacionamento e se estiver morno, previsível, agite-se para ser e ter uma novidade quer seja um novo interesse, uma mudança em sua rotina e estimule seu parceiro também.

Nada como o friozinho na barriga de não saber o que esperar, para alimentar uma relação, e ao contrário do que diziam nossas avós de que quem surpreende pode ser surpreendido,dando uma conotação negativa a essa surpresa,hoje posso dizer com convicção de que quem não surpreende não se reinventa,mesmo em pequenas coisas e está fadado ao mofo e envelhecimento.