Vida & Prazer
Marcia Atik

Psicóloga clínica e terapeuta sexual e de casal

Vestibular ou piquenique?

Confira o novo artigo da psicóloga Márcia Atik, da coluna Vida & Prazer

24 de agosto de 2016 - 10:16

Compartilhe

Ousei colocar esse título, pois dia desses falei em piquenique para adolescentes que não sabiam do que se tratava, então resolvi tirar do baú uma das formas antigas, românticas, leves de se divertir, aspecto de nossas vidas ansiosas, rápidas que estamos perdendo.

Nesse mês de agosto em que nos lembramos dos homens por causa do dia dos pais que já passou e também porque sempre falamos das dificuldades e repressões que vitimizam principalmente as mulheres, resolvi resgatar um pouco o aspecto lúdico da sexualidade, não apenas por escolha, mas também por ser altamente terapêutico e convenhamos, tanto nós mulheres quanto e mais os homens estamos colocando todas as nossas fichas nos resultados sem perceber as flores do caminho.

“Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa todo o entendimento, mergulhe no que você não conhece”, tão bem diz a escritora Clarice Lispector, lembrei-me disso, pois o que mais se vê nas questões ligadas à sexualidade é uma tentativa de se moldar, pois se deseja entender tudo, controlar tudo segundo regras de não sei quem e não sei de onde e acaba-se interferindo na resposta sexual que é em sua totalidade instinto,desejo e emoção.

O que tenho percebido é que na resposta sexual masculina, além da clássica ejaculação precoce, intimamente associada à ansiedade, a falta de ejaculação tem aparecido bastante nos consultórios e na terapia sexual.Sintoma esse que é uma repressão de entrega,dificuldade de contato com a emoção, comportamentos que podem estar associados a uma autoestima rebaixada ou mesmo a falta de vínculo afetivo com as pessoas com quem se está transando.

Quando falo em vínculo afetivo não falo necessariamente de amor, paixão, mas sim de admiração, desejo, ou mesmo amizade.

Por outro lado, a cobrança que se faz intimamente da performance sexual acaba transformando aquilo que seria apenas expressão do desejo num grande vestibular e naturalmente como em toda situação de estresse ou ansiedade aquele famoso branco ou um apagão aparecem.

E atire a primeira pedra quem nunca teve uma falha quer seja de desejo ou de memória? A intenção em falar disso faz parte de um “projeto” pessoal e profissional de fazer com que o sexo volte a ocupar o lugar de um belo e prazeroso passeio pelos recônditos da alma desejosa que todos nós temos.