Criatividade

Proposta visa criação de Conselho Municipal de Economia Criativa

Encontro do segmento visa valorizar a capacidade criativa da Cidade de Santos, que receberá encontro da Unesco no próximo ano

20 de maio de 2019 - 09:27

Da Redação

Compartilhe

A proposta de criação do Conselho Municipal de Economia Criativa para fortalecer, fomentar e buscar atratividade financeira para expansão e desenvolvimento do setor foi um dos pontos de destaque discutidos no Encontro da Cadeia Produtora de Economia Criativa de Santos.

Evento foi realizado na sexta-feira (17), no Sesc-Santos.

Mais de 100 produtores e empreendedores dos segmentos de pesquisa e inovação, artes plásticas e artesanato, design, gastronomia, cinema e audiovisual e música e literatura, além da sociedade civil organizada, participaram do evento.

O encontro, que também colocou em evidência o encontro mundial da rede de Cidades Criativas, da Unesco.

Santos sediará em o evento em 2020.

A realização foi da Secretaria Municipal de Governo (Segov), com apoio do Sesc e do Sebrae.

O Conselho

A minuta com a proposta de criação do Conselho deve ser entregue ao prefeito Paulo Alexandre Barbosa até o final de junho. Posteriormente, será encaminhada à Câmara Municipal.

“O Conselho será a valorização da capacidade criativa da Cidade. Santos é reconhecida internacionalmente por seu potencial, qualidade de vida e equipamentos públicos. Mas seu maior valor é o capital humano. Adotamos a economia criativa como política de governo e temos a expectativa de que ela seja uma política pública para o desenvolvimento econômico, social e urbano”, afirmou o titular da Segov, Rogério Santos.

O Escritório de Inovação Econômica e a Coordenadoria de Economia Criativa, as Vilas Criativas e a Ecofábrica Criativa foram algumas das ações realizadas pela Prefeitura mencionadas por ele.

Além disso, ele explanou sobre o planejamento do encontro de 2020, com previsão de atividades paralelas por toda a Cidade.

À frente do Escritório de Inovação Econômica, André Falchi, da Segov, também faz uma ressalva.

“O Conselho constituído e a força do selo da Unesco abrirão mais portas para investidores internos e externos. Será uma iniciativa importante para que possamos colocar a cadeia produtiva para se encontrar e deliberar sobre ela própria junto ao poder público”.

Inovação

Para o gerente do Sebrae na Baixada Santista, Marco Aurélio Rosas, a base da criatividade é a inovação.

“A contribuição do Sebrae é colocar nessa criatividade uma pitada de empreendedorismo e inovação. Esse é o nosso propósito”. Diretor do Centro Nacional de Referência em Economia Criativa, Guilherme Arradi destacou que o setor representa 2% do PIB (Produto Interno Bruto) no Brasil.

Grupos temáticos discutem ideias

Após a abertura, participantes, divididos em grupos temáticos, se debruçaram sobre suas áreas com o objetivo de propor ideias a partir da pergunta-chave: como o poder público pode contribuir com seu negócio?

O resultado dos debates será compilado em um documento a ser entregue à Segov para discussão de políticas públicas.

“O intuito é fazer com que a cadeia produtiva nos mais diversos segmentos possa se olhar e se conversar e, a partir daí, dialogar com o poder público para que possamos verificar políticas mais eficazes. Esperamos que brotem ideias não só em relação a políticas públicas, mas também a eventos cogeridos”, disse Falchi.

O presidente do Conselho de Cultura, Júnior Brassaloti, participou das discussões em um dos grupos.

“Espero que daqui saia algo construtivo e políticas públicas aplicáveis na Cidade. É importante partirmos para a ação. É preciso gerar um polo produtor para que a classe artística consiga sua subsistência”.

O encontro contou ainda com intervenção artística do personagem Cara de Papel, com seu acordeão, deixando a mensagem do valor da criatividade e da necessidade de união das potencialidades para a transformação das relações humanas.

Presenças

Também estavam o secretário de Cultura, Rafael Leal; o especialista de negócios do audiovisual do Sebrae, José Carlos Aronchi; o produtor do Curta Santos, Ricardo Vasconcelos; o gerente do Sesc-Santos, Neto Figueiredo.

Ainda, Rodrigo Savazoni, do Instituto Procomum; Denise Covas, do Lab 4D; Gabriela França, do Viver em Santos e Região; Heitor Cabral, do Encontro de Criadores.

Santos possui o selo da Unesco de Cidade Criativa em Cinema desde 2015.

De acordo com definição do Sebrae, entende-se por economia criativa o conjunto de negócios baseados no capital intelectual e cultural e na criatividade que gera valor econômico.

Dessa forma, a indústria criativa estimula a geração de renda, cria empregos e produz receitas de exportação. Além disso, promove a diversidade cultural e o desenvolvimento humano.

LEIA TAMBÉM: