Após 72 anos, Associação Japonesa retoma sede em definitivo | Boqnews
Foto: Lucas Freire

História

20 DE JUNHO DE 2018

Após 72 anos, Associação Japonesa retoma sede em definitivo

Imóvel localizado na Vila Mathias, em Santos, foi tomado pelo Governo Federal em 1946, logo após a 2ª Guerra. Só agora ele foi devolvido de forma definitiva.

Por: Fernando De Maria

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Uma dívida que o Brasil tinha com o Japão foi finalmente paga após 72 anos.

A frase sintetiza o tempo que o País demorou para devolver à Associação Japonesa de Santos (antiga Sociedade Japonesa de Santos) o imóvel localizado à Rua Paraná, 129, na Vila Mathias.

Durante mais de sete décadas, a ampla residência e seu generoso terreno esteve sob o comando do Governo Federal e somente na segunda (18) foi devidamente – e oficialmente – devolvido aos donos de direito.

A data coincidiu com as homenagens aos 110 anos do início da imigração japonesa no Brasil.

 

Imóvel localizado na Rua Paraná, na Vila Mathias, voltou aos verdadeiros donos, após 72 anos. Foto: Lucas Freire

Tempo de espera

Sob o aspecto político, a devolução do imóvel se arrasta desde 1994.

Na ocasião, o então deputado federal Koyu Iha iniciou as tratativas para a justa devolução do bem, confiscado no Governo Dutra em 1946.

Na ocasião, todos os patrimônios pertencentes às colônias do Eixo (Alemanha, Japão e Itália) foram tomados pelo Governo Federal.

A quantidade de bens confiscados pelo Governo é tão expressiva que nem o atual superintendente do Patrimônio da União (SPU), Sidrack de Oliveira Correa Neto, sabe quantificar o total de imóveis confiscados após a 2ª Guerra Mundial.

“Estamos fazendo um levantamento completo junto ao IBGE, Exército e prefeituras”, diz.

Apenas 24% do atual patrimônio que o órgão monitora está identificado.

“Estamos garimpando o que existe”, reconhece Sidrack.

Ele destaca que outros imóveis podem estar nas mesmas condições a qual se encontrava a sede da Associação Japonesa.

 

Antiga foto da Sociedade Japonesa. Foto: Divulgação

Luta

Portanto, a garantia da devolução do imóvel pode ser creditada ao esforço da comunidade nipônica.

A colônia uniu esforços para a justa devolução do imóvel – outrora ocupado pelo Exército.

Neste sentido, um personagem merece destaque.

O ex-presidente da Associação Japonesa de Santos, Arata Akani (1978-2003), um dos mais ferrenhos defensores da devolução do imóvel.

“Foram anos de lutas, pedidos e decepções. Porém, manteve-se focado em seu objetivo, que viria a se tornar realidade em 2006, quando já não era mais presidente da Associação”, relata Bruno Hamaoka Eizo, em texto publicado na revista Undokai 2018, mantida pela Associação Japonesa de Santos.

Em dezembro de 2016, Kami pode, enfim, ver seu desejo realizado, após a sanção do presidente Michel Temer devolvendo o imóvel em definitivo.

No entanto, a solenidade oficial só ocorreu na última segunda (18), quando Kami já não pode presenciar o ato final da sua luta.

Ele faleceu no dia 11 de março, aos 95 anos.

A demora entre a assinatura presidencial e devolução definitiva do imóvel ocorreu em razão do impasse no Exército.

O setor ‘ganhou’ a edificação após o confisco federal – a sede chegou a ser ocupada para alistamento militar até a década passada.

Após exaustiva negociação, o SPU – Serviço do Patrimônio da União garantiu um terreno em Brasília e assim a troca foi feita em definitivo.

 

Solenidade contou com representantes do SPU, além de deputados e diretoria da Associação Japonesa, representada pela atual diretora, Marise Hashimoto. Foto: Nando Santos

Solenidade

Além do ex-deputado Koyu Iha (Pros), o evento reuniu outros parlamentares que colaboraram no processo que culminou na devolução do imóvel.

Como a ex-deputada e atual vereadora Telma de Souza (PT), o superintendente paulista do SPU, Robson Tuma, ex-deputado federal.

E ainda: o atual parlamentar, João Paulo Papa (PSDB), que deu continuidade à luta pela devolução do imóvel.

Entram na lista de colaboradores os parlamentares Vicente Cascione (Pros) e Beto Mansur (MDB), lembrados durante a solenidade.

O evento também contoucom a presença do prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa.

“Até um pouco antes da assinatura presidencial do termo de devolução do imóvel havia o risco de veto”, relembra Papa.

O motivo é que havia um parecer jurídico contrário à cessão.

“Tivemos momentos tensos até a sanção presidencial”, relembra Papa.

“Procuramos os técnicos do Ministério do Planejamento e SPU e explicamos a importância deste ato”, lembra.

“Se fosse vetado, seria uma ofensa do Brasil ao Japão”, destaca Papa.

O parlamentar conseguiu reunir a assinatura de mais de 300 deputados para a causa.

Com a homologação do ato, a Associação Japonesa poderá, enfim e agora sem riscos, promover a integração da comunidade nipo-brasileira com a preservação. Em definitivo.

Além disso, ajudar na divulgação da cultura japonesa e o ensino do idioma nativo.

Na sede, são oferecidos cursos de língua japonesa, shodô (caligrafia com pincel).

E ainda: ikebana (linhas Ikenobo e Sogetsu), Origami, dança de salão, além de atividades como karaokê.

Informações 3222-3268 ou [email protected]

 

Cronologia de lutas da entidade em destaque em imenso painel no salão nobre do quase secular imóvel. Foto: Nando Santos

Cronologia

Entenda o longo percurso para  a retomada do imóvel.

 

1929 Sociedade Japonesa de Santos adquire o terreno à Rua Paraná, 129 para a construção da Escola Japonesa.

Com a ajuda do governo, escola é inaugurada em 1930.

 

1942 – Entidade altera nome para Sociedade Instrutiva Vila Mathias, alterando sua grade curricular para se adaptar às pressões do Governo Federal em razão da 2ª Guerra Mundial.

 

1943 – Na 2ª Guerra, japoneses que moravam no litoral são expulsos e precisaram deixar seus lares em 24 horas.

As atividades da entidade são suspensas.

 

1946 – Decreto Lei 9727/46 dissolve as sociedades civis de imigrantes dos países do Eixo e transfere o patrimônio das entidades ao Governo Federal.

Assim, a Sociedade Japonesa é extinta e o imóvel é incorporado ao patrimônio federal.

 

1952 – Em 1º de junho, surge a atual Associação Japonesa de Santos, sucessora da antiga Sociedade Japonesa.

Começa a luta para a retomada do imóvel confiscado pelo Governo Federal.

Reuniões são realizadas em outros locais, como residências de japoneses.

 

2006 – Após ação política e de diretores da entidade Associação Japonesa de Santos consegue a cessão provisória de uso gratuito do imóvel por tempo indeterminado.

Ato foi assinado pelo ex-presidente Lula.

 

2008 Dentro das comemorações do centenário da imigração japonesa, a sede da Associação Japonesa de Santos foi oficialmente reinaugurada com a presença do príncipe-herdeiro do Japão, Naruhito.

 

2016 – Presidente Michel Temer autoriza a cessão do imóvel à Associação Japonesa de Santos.

 

18/6/2018 – SPU – Serviço do Patrimônio da União oficializa e devolve em definitivo o imóvel.

 

 

 

 

 

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.