Conforme Sinpro, 17 escolas não pagaram férias aos professores | Boqnews
Foto: Divulgação Educação

Sem receber

06 DE JULHO DE 2018

Conforme Sinpro, 17 escolas não pagaram férias aos professores

Sinpro Santos e Região já recebeu denúncias de 17 instituições particulares que não pagaram, até o momento, as férias devidas, conforme previsto na convenção coletiva.

Por: Da Redação

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

O Sindicato dos Professores de Santos e região (Sinpro) tem recebido diariamente denúncias de professores de escolas e até universidades particulares que não receberam as férias, que deveriam ser pagas 48 horas antes do início das mesmas. Ou seja, até o final de junho.

Afinal, julho é o mês de férias coletivas da categoria.

Até o momento, foram 17 unidades educacionais particulares que não cumpriram a obrigatoriedade, conforme denúncias relatadas por docentes e contabilizadas pelo sindicato.

Trata-se de um número recorde.

A gravidade da situação é tanta que o Sinpro colocou ontem (5) em manchete no seu site um texto sobre o assunto, sob o título Absurdo.

Nota

Assinada pelo presidente da entidade, Walter Alves, a nota ressalta que julho é o mês de férias coletivas.

“E elas devem ser pagas, acrescidas de um terço, 48 horas antes de seu inicio. Isso é o que diz a lei e ela não foi mudada pela reforma”, enfatiza.

“No entanto, os patrões continuam desrespeitando e se utilizando de práticas que não condizem em nada com a natureza de suas atividades. A lista de dribles, sonegações, engodos, mentiras e safadezas só cresce”, lamenta.

Ele enumera várias atitudes por parte de escolas que não estariam cumprindo a legislação.

Com atuação metropolitana, incluindo o Litoral Norte e parte do Vale do Ribeira (atuação de Ubatuba a Cananéia), o sindicato informa que nas denúncias recebidas até o momento há até uma universidade em Santos  que não cumpriu o acordo coletivo até agora.

Educação

O Sinpro recebeu, até o momento, 17 denúncias de escolas que não teriam pago as férias, conforme previsto pela convenção coletiva. Foto: Divulgação

Confira os casos apurados pelo Sinpro

1 – Simplesmente não pagam os professores e, exigem com ameaça de demissão, que assinem os recibos de férias;

 

2 – Pagam apenas um terço constitucional depois de uma ladainha sobre inadimplência, falta de resultados, não pagamento das mensalidades etc;

 

3 – Bondosos que são, entregam aos professores um cheque pré-datado: “deposite, mas só se você estiver precisando muito, por favor”;

 

4 – Prepotentes, do alto do seu “conhecimento administrativo e financeiro”, solicitam aos professores que não recebam antecipadamente o valor das férias pois poderão gastá-lo e quando voltarem ao trabalho, em agosto, não terão dinheiro.

O patrão quer zelar pela vida financeira do professor, imaginem…

 

5 – Entrega o cheque ao professor, o mesmo professor devolve o valor em “dinheiro”.

Sabe-se lá como essa operação será contabilizada.

Será esse o “caixa dois” das escolas?

 

6 – Reúnem os professores e num ato de fé explicam “as enormes dificuldades financeiras da escola”.

Culpam o governo, os pais, o país, e pedem em nome da “nossa família” que os professores assinem um documento abrindo mão do direito de receber antecipadamente as férias (“assim o Sindicato para de perseguir a escola”).

O Sinpro reforça que os docentes não devem assinar qualquer documento abrindo mão deste direito.

 

Denúncias

Docentes que queiram fazer denúncias sobre  o assunto não precisam se identificar.

Basta acessar este link .

Para isso, apenas mencione o nome da instituição, local e relate a situação encontrada.

 

 

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.