Maio Cinza: a importância da conscientização | Boqnews
Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Opiniões

30 DE MAIO DE 2022

Maio Cinza: a importância da conscientização

Juliana Zuiani

array(1) {
  ["tipo"]=>
  int(27)
}

Maio Cinza é uma campanha para conscientização sobre o câncer no sistema nervoso central (SNC) e um alerta para cuidados relacionados à prevenção da doença. Responsável por 4% das mortes decorrentes de neoplasias em todo o mundo, o câncer de SNC está entre os dez tipos de cânceres mais letais. Em jovens com idade inferior a 15 anos, os tumores do SNC são a segunda principal causa de câncer.

O diagnóstico precoce é fundamental para um bom resultado no tratamento. Não havendo indicação de rastreamento na população em geral, é importante não menosprezar alguns sintomas como: convulsões, desmaios, tontura, desequilíbrio, alterações da fala, deglutição ou da visão, dores de cabeça persistentes, vômitos, formigamentos e perda de força. A avaliação de um especialista é de extrema importância nessas situações.

Essa é uma doença com poucos fatores de risco conhecidos: o tabagismo e a exposição à radiação — inclusive a radioterapia para tratamento de outros tipos de câncer. Estes dois são os principais agentes quando falamos de tumores primários do SNC. Porém, a maior parte dos tumores do SNC não são primários, ou seja, não se originaram ali. São tumores secundários, originados de uma neoplasia em outro órgão, conhecidos como metástases. Diante disso, os fatores de risco são relacionados ao câncer no órgão de origem.

Os pacientes mais jovens, mesmo vitimados com tumores malignos, respondem bem ao tratamento e podem chegar entre 70% a 80% de cura. Já nos adultos os resultados não são tão animadores. O Gliobastoma, tumor primário maligno mais comum no SNC, é bastante agressivo e letal em mais de 70% dos casos em até cinco anos de duração da enfermidade.

O tratamento dos tumores malignos vai depender o seu tipo histológico, grau e localização, mas, em geral, o paciente é submetido a cirurgia, radioterapia e quimioterapia.

Os tumores benignos, em sua quase totalidade, têm a cirurgia como principal arma terapêutica, sendo curativa na grande maioria das vezes. Em outras situações podemos apenas acompanhar a lesão com exames de imagem e avaliação clínica periódica.

Conscientizar é uma das melhores formas de prevenir e salvar vidas.

Dra. Juliana Zuiani é formada em Medicina pela Unicamp, onde também fez Residência Médica em Neurocirurgia;

Especialização em Neurocirurgia Funcional na Universidade de Toronto – Canadá, e aperfeiçoamento na Cleveland Clinic — EUA;

Especialização em microcirurgia no ICNE – SP com o Prof. Dr. Evandro de Oliveira;

Título de especialista em Neurocirurgia;

Membro da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia e da Sociedade Brasileira de Estereotaxia e Neurocirurgia Funcional;

Coordenadora da Divisão de Neurocirurgia Funcional do Hospital da PUC Campinas.

Dra. Juliana Zuiani, médica neurocirurgiã

Notícias relacionadas

ENFOQUE JORNAL E EDITORA © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

desenvolvido por:
Este site usa cookies para personalizar conteúdo e analisar o tráfego do site. Conheça a nossa Política de Cookies.