Ideias
Adelto Gonçalves

Doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP) e autor de Os Vira-latas da Madrugada (Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1981), Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002), Bocage - o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003) entre outros. E-mail: marilizadelto@uol.com.br

‘ViceVersa’: diálogo literário entre Brasil e Equador

Novo artigo do professor universitário, jornalista e escritor Adelto Gonçalves

24 de julho de 2019 - 16:37

Compartilhe

I

Lançada em novembro de 2013 para tentar encurtar a distância que separa a literatura brasileira da do Equador (e, por extensão, dos demais países de hispano-americanos), a ViceVersa Revista Literária, mantida pela Embaixada do Brasil em Quito, com o apoio do Instituto Brasileiro-Equatoriano de Cultura (Ibec), chegou ao seu terceiro número em agosto de 2018, com uma edição dedicada ao escritor brasileiro Dalton Trevisan (1925), hoje o maior contista vivo da Língua Portuguesa, Prêmio Camões de 2012 e Prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras de 2012. Como observou o diplomata Carlos Alfredo Lazary Teixeira, embaixador em Quito à época, na apresentação que escreveu para este número, tanto o Brasil publica poucos autores equatorianos como são raros os escritores brasileiros publicados no Equador. Por isso, ViceVersa surgiu como uma iniciativa que procura fomentar esse diálogo, pois, com os 13 autores publicados nesta edição, já são 37 os escritores conhecidos ou revisitados pelos leitores do Brasil e do Equador nas três edições: 18 equatorianos e 19 brasileiros, todos contistas.

Neste número, além de “A visita”, de Dalton Trevisan, a publicação traz contos de Bernardo Carvalho, Cristhiano Aguiar, Lucrecia Zappi, Luisa Geisler, Rafael Gallo e Rogério Pereira. Entre os equatorianos, estão Raul Pérez Torres, Raul Vallejo, Salvador Izquierdo, Sandra Araya, Marcela Noriega e Cristóbal Zapata. Todos são procedentes de diferentes regiões de seus países, o que garante aos contos temáticas diversas que, sem dúvida, hão de encantar o leitor que tiver a sorte de colocar os olhos nesta publicação.

Dos 13 contos, nove foram traduzidos do espanhol para português e do português para o espanhol pela jornalista Sônia Oliveira de Paredes, assessora de imprensa da Embaixada do Brasil, que vive no Equador há cerca de três décadas. Os demais foram traduzidos por Alfonso Montúfar Estrella, Idalia Morejón Arnaiz, Sebastián Rodríguez e Jéssica Figueiredo da Silveira.

Aqueles 13 autores vêm se somar aos que participaram das edições anteriores: na de nº 2, publicada em março de 2015, Nélida Piñon, Lygia Fagundes Telles,  João Gilberto Noll, Sérgio Faraco, Adriana Lisboa e Michel Laub, pelo lado brasileiro; e Gabriela Alemán, Santiago Páez, Juan Carlos Cucalón, Martha Chávez, Andrés Cadena e Miguel Donoso, pelo lado equatoriano, além de Antônio Torres, Milton Hatoum, Eric Nepomuceno, Mário Araújo, Luiz Ruffato e Sérgio Sant´Anna, entre os brasileiros, e Adolfo Macías, Eliécer Cárdenas, Javier Vásconez, Leonardo Valencia, Solange Rodríguez Pappe e Vladimiro Rivas, entre os equatorianos, na edição de estreia.

II

Se o conto se organiza como uma célula, com o núcleo e o tecido ao redor, enquanto a massa circundante existe em função dele, como explica o professor Massaud Moisés (1928-2018) em A Criação Literária – Prosa I (São Paulo, Cultrix, 19ª ed., 2009, p. 49), um texto que cumpre à perfeição esta definição é “O arquiteto”, do jornalista, romancista e tradutor carioca Bernardo Carvalho (1960), cujas obras estão traduzidas em mais de dez idiomas. No conto, que abre o conteúdo da revista, o narrador, após ter construído uma cidade que considerava a ideal, pois subterrânea e, portanto, protegida de todos os perigos da superfície, descobre com espanto que a mulher, Mônica, para quem ele havia construído a cidade, desaparece de sua vida carregando o filho pequeno.

Para ele, não fazia sentido aquela fuga, e tantas outras, geralmente, de mulheres com seus bebês. Até que descobre uma vizinha, que praticamente dizia tudo o que Mônica falava. E que também tinha uma criança recém-nascida. Com ela passa a se dar muito bem, até que conta para ela que havia sido quem construíra a cidade. Depois, descobre que, em sua construção, deixara sem perceber um ponto cego, por onde fugiam as mulheres com seus bebês, que funciona como metáfora para um lado mal resolvido da personalidade do narrador e que o levava a ser abandonado pelas fêmeas.

Entre os outros textos de autores brasileiros, de se ressaltar é o conto “Réveillon”, do paulista Rafael Gallo (1981), autor do romance Rebentar (Rio de Janeiro, Editora Record, 2015), ganhador do Prêmio São Paulo de Literatura, e de Réveillon e outros dias (Rio de Janeiro, Editora Record, 2012), livro de contos vencedor do Prêmio Sesc de Literatura, do qual foi extraído o texto publicado em ViceVersa. Numa linguagem intimista, com frases curtas e precisas, o narrador conta a história de um filho surdo e mudo que vive intensamente os últimos momentos de vida de seu pai, um viú vo que deixara intocados os móveis da sala de sua casa desde a morte da mulher como se aguardassem o retorno da falecida.

Por meio da linguagem de sinais feitos não só à distância como fisicamente no contato dos dedos com a pele do outro, ambos haviam construído um mundo só deles que, agora depois de uma festa de fim de ano, parecia a ponto de se romper porque o pai sentia que a vida lhe fugia do corpo.  Já de novo na casa vazia, pois sem a mulher e mãe, o pai, portador de epilepsia, começa a agonizar: “Sentiu algo se esvaindo de si; algo que era, com certeza, a última pétala a cair de seu invólucro carnal. Uma lágrima se soltou de seu olho”. Era o fim.

Surpreendente é também o conto assinado pela brasileira e cidadã do mundo Lucrecia Zappi (1972), nascida em Buenos Aires, mas criada na cidade de São Paulo, que fez o curso colegial na Cidade do México, curso de artes plásticas na Academia Rietveld de Amsterdam e mestrado em Criação Literária na New York University. Morando há mais de dez anos em Nova York e colaborada do jornal Folha de S. Paulo, Lucrecia é autora dos romances Onça preta (São Paulo, Benvirá, 2013), publicado também no México e na Espanha, e de Acre, lançado no Brasil pela Editora Todavia e na Espanha pela Huerta Grande.

De Lucrecia Zappi, ViceVersa traz “Rainha do baile”, conto bem escrito, em linguagem direta, sem emoções, em que se lê a desdita de uma jovem que acaba por dar à luz um bebê indesejado, isolada, no banheiro, enquanto lá fora corre solta uma festa de estudantes. Eis uma amostra do estilo da autora: “Cortou o cordão umbilical no suporte metálico do papel higiênico e enrolou o bebê no pedaço de tecido rasgado e no papel. Jogou aquilo no lixo”.

III

Do lado equatoriano, o conto “Os pés do bicho venenoso” surpreende o leitor com um texto poético que compõe uma trama bem urdida. Sua autora, Marcela Noriega (1978), nascida em Guayaquil, jornalista, poeta e cronista, é um dos nomes mais representativos da nova geração de escritores equatorianos, conhecida inclusive na Espanha, onde publicou em 2012 seu primeiro romance, Pedro Máximo y el Círculo de Tiza, e um poemário erótico, Paredes de mi corpo.

No conto publicado em ViceVersa, Marcela faz uma parábola, ao comparar a multidão a uma centopeia venenosa, ou melhor, aos seus pés. Eis um exemplo de seu estilo pouco usual: “Nenhum pé pensa e muito menos age por si mesmo. A todos os guia uma só mente, a da lacraia. Juntos conformam uma multidão de soldados e vítimas. Gostam de se esconder entre seus pares e farão todo o possível para ficarem sozinhos. Seu destino é transportar até o norte o artrópode a quem acreditam pertencer”.

Em outro sentido segue o conto “Horácio Castellanos Moya”, do equatoriano Salvador Izquierdo (1980), nascido em Londres, professor e co-fundador da Editora Festina Lente, autor dos romances Uma comunidade abstracta (Editora Cadáver Exquisito, 2015) e Te Faruru (Campaña Nacional de Lectura, 2016). O conto trata da história de vida de um casal de equatorianos que larga seu país para passar apertado em Nova York com os filhos pequenos. Entre os dois, falta diálogo: acossada pelo inverno, a mulher reclama de ficar trancada, sem ver nada, enquanto o marido passa o tempo diante do computador ou a ler alguma novela, preocupado apenas com literatura.

Outro conto que segue na linhagem da falta de sentido com que a realidade se apresenta, tal como no texto do brasileiro Bernardo Carvalho, é “Você é a culpada”, do narrador e poeta quitenho Raúl Perez Torres (1941), ministro de Cultura e Patrimônio do Equador desde maio de 2017 e ex-presidente da Casa de Cultura Equatoriana Benjamín Carrión. Neste conto, o narrador conta a história de um amor a três, ou seja, a do amante de uma mulher que traía o seu marido não para escapar dele, “mas do tédio que a rodeava”. Narrativa permeada por referências eruditas tanto na área literária como na área musical e na pintura, este conto, a exemplo dos outros dois citados, é uma amostra irretocável da boa qualidade da literatura que se pratica no Equador de hoje.