ETC
Muros da cidade

Charge na rua, forma criativa para unir arte, cultura e informação pelas ruas

Charge na rua mostra a criatividade do chargista Lauro Freire, que usará espaços públicos para levar arte, informação e cultura pelas ruas de Santos

16 de setembro de 2020 - 14:26

Da Redação

Compartilhe

Dos jornais para os muros.

Essa é a proposta do projeto Charge na Rua, uma exposição pública e urbana unindo arte e jornalismo, que vai ocupar diferentes pontos da Cidade, a partir deste sábado (dia 19).

Com a assinatura do santista Lauro Freire, experiente chargista e desenhista, o projeto inédito não poderia ser mais propício ao momento de pandemia.

A exposição é ao ar livre e como estará espalhada por vários lugares durante 24 horas por dia, não promoverá aglomerações.

A partir de 19 de setembro e durante três meses, Lauro Freire vai criar charges, sempre inspirado nos temas políticos e sociais da ocasião, e expô-las em muros, com a autorização de seus proprietários e da prefeitura.

Os desenhos serão impressos como painéis com aproximadamente 2 metros de largura e afixados simultaneamente em muros e grades de 10 pontos fixos de Santos (confira abaixo). O público é o passante, e a obra, uma surpresa diferente a cada semana.

 

Lauro Freire vai expor seus trabalhos pelas ruas da Cidade. Foto: Divulgação

 

Espaço democrático 

“Se a ideia é comunicar algo para a população, a rua é o espaço mais democrático. O grafite é provavelmente o movimento mais potente de apropriação do espaço público para se levar arte até mesmo para um público desavisado, que esbarra em uma arte que nem mesmo esperava. O Charge na Rua pega emprestado esse lado do grafite para valorizar o segmento da charge e do desenho humorístico e fazer o que as charges fazem de melhor: proporcionar ao público uma reflexão crítica sobre a política e a sociedade contemporânea”, destaca Lauro Freire.

O produtor Vítor Freire ressalta que o projeto não estimula as pessoas a saírem de casa neste momento de pandemia.

“Aqueles que precisarem sair, poderão topar com este elemento artístico, crítico e humorístico das charges em seu caminho. O encontro com o trabalho é acidental mesmo. Como qualquer chargista, boa parte da obra de Lauro Freire ficou restrita às páginas de jornais, e agora queremos levar este tipo de conteúdo até um novo, aberto e desafiador espaço, a rua”.

 

Confira um dos trabalhos de Freire. Acesse o link abaixo:

Charge 1 – Lauro Freire (2)

 

Oficina on line de criação de charges

Por muitos anos, Lauro foi chargista do Jornal A Tribuna e ainda colaborou com publicações como “O Pasquim”, “Placar”, “Folhetim” (da Folha de São Paulo), “Jornal de Hoje” (onde, além das charges, também ilustrava a coluna de Millôr Fernandes), “Última Hora” e “Latin América” (de Londres).

Para estimular o surgimento de novos talentos neste gênero, o artista vai promover uma oficina on-line de criação de charges.

O material ficará disponível gratuitamente no canal do YouTube (https://www.youtube.com/user/ciaruidorosa) e nas redes sociais da Cia. Ruído Rosa, produtora da exposição.

O Charge na Rua tem financiamento do ProAC (Programa de Ação Cultural), da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, e apoio da Prefeitura Municipal de Santos.

Pontos de exposição Charge na Rua

 

1. Estação Cidadania (Campo Grande)

2. Arredores da Praça Palmares (Macuco)

3. Arredores da Praça do Sesc-Santos (Aparecida)

4. Arredores da Praça Abílio Rodrigues Paz (Aparecida, no BNH)

5. Arredores da Praça Engenheiro José Rebouças (Ponta da Praia)

6. Descida do Morro Fontana (Rua Rubião Junior, Monte Serrat)

7. Vila do Teatro (Praça dos Andradas, 35, Centro)

8. Arredores da Praça Belmiro Ribeiro (Vila Mathias)

9. Arredores da Praça Olímpio de Lima (Vila Belmiro)

10. Próximo à saída da Estação Nossa Sra. de Lourdes do VLT (Marapé)

 

 

Quem é Lauro Freire?

 

Lauro Freire tem uma extensa carreira como chargista e cartunista, e especial vínculo com a Baixada Santista, região na qual nasceu, reside e atuou continuamente como artista e agente cultural.

Ainda participou de diversas exposições de desenhos de humor, como o Salão de Humor de Piracicaba, Salão de Humor de Lucca (Itália) e Salão de Humor da Casa de Las Americas (Cuba).

E exemplificando mais seu vínculo com a Baixada Santista, ilustrou os livros “Vila Socó: A Tragédia Programada”, sobre marcante tragédia ocorrida na cidade de Cubatão, e “Cuíca no Velório”, sobre o tradicional bairro santista Marapé.

Recentemente, criou os desenhos das exposições “Roda de Samba” e “Copas e Contos”, ambas no SESC Santos.