Panorama Regional
Fernando De Maria

Crime e castigo

20 de novembro de 2017 - 19:24

Compartilhe

Levantamento realizado, após detalhada apuração de números disponíveis no portal da transparência da Segurança de Segurança Pública, revela o crescimento do volume de aparelhos celulares roubados na Baixada Santista.

Somente entre os 10 primeiros meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado já é possível notar um crescimento de 2,8% no total de casos – levando em consideração apenas as vítimas que prestam queixas nas delegacias.

Muitas, porém, diante da demora, da falta de profissionais e condições mínimas para atendimento nas delegacias, acabam desistindo de registrar a queixa, escondendo uma realidade ainda pior.

Apenas sob a ótica oficial, os números já assustam. Uma média de um aparelho é roubado a cada 30 minutos na Baixada Santista. Um número impressionante.

E pior: o volume de aparelhos recuperados é pífio.

Ou seja, a probabilidade de um cidadão recuperar seu bem beira o zero.

Resta, portanto, além do susto – e do risco de levar uma bala – arcar com a dívida das parcelas ainda pendentes do aparelho e assumir a despesa do novo equipamento.

Chama a atenção, porém, que esta é uma indústria crescente.

Se antes era o roubo a tênis e máquinas fotográficas, agora é a vez dos celulares, mas pouco se vê em relação às ações para conter a receptação.

Afinal, se há interesse pelo roubo, sinal que existe público para consumir tais equipamentos.

A lógica é tão cristalina como a água, mas, infelizmente, nossas autoridades continuam enxugando gelo, ou seja, contabilizando os casos. E só.

Ferros-velhos

Ora, o governo paulista endureceu as regras com os ferros-velhos, muitos deles pontos de receptação de peças de carros roubados, por que não fazê-lo em lojas que atuem neste segmento?

Uma atuação mais focada nestes estabelecimentos, especialmente os clandestinos, é uma forma de atacar a fonte entre aqueles com interesse na receptação destes produtos.

Não precisa ser gênio para perceber isso.

Além disso, campanhas deveriam ser difundidas pela mídia para alertar os riscos que a compra de peças e equipamentos mais baratos podem esconder uma fatalidade.

Na região, somente neste ano, 20 pessoas já foram vítimas de latrocínio – roubo seguido de morte.

Por isso, trabalhos como o desenvolvido pela ONG Luann Vive, em homenagem ao jovem que foi assassinado em um ponto de ônibus no Gonzaga após ter seu celular roubado, servem como referência e colocam luz a um tema que precisa ser discutido e amplificado pela sociedade.

Afinal, o que aparentemente é barato – e milagres neste segmento inexistem – pode esconder um crime.

E a sociedade precisa combater isso, pois a próxima vítima pode ser o próprio comprador de hoje.

Para reflexão.