Panorama Regional
Fernando De Maria

Vestibular do voto

13 de julho de 2012 - 20:57

Compartilhe

Se não ocorrerem desistências nem nomes forem vetados pela Justiça Eleitoral, a Baixada Santista terá um montante de 2.435 candidatos a vereador, um crescimento significativo de 41% em relação às eleições municipais de 2008. Sem dúvida, deve ser bom ser vereador diante da procura tão expressiva.
Maior cidade da região, Santos terá 460 candidatos (conforme dados do DivulgaCand, do Tribunal Superior Eleitoral), uma média de 21,9 pretendentes por vaga (serão 21 cadeiras  a partir da próxima legislatura). Com o terceiro maior colégio eleitoral, mas na vice-liderança em número de candidatos aparece Guarujá, com 405 interessados que disputarão o mais acirrado vestibular do voto: serão 23,8 candidatos por cadeira no Legislativo da cidade (17), quantia típica para vestibulares ou concursos para cargos bem concorridos.
A disputa também será acirrada em São Vicente, com 337 candidatos, mas 15 cadeiras (média de 22,4 candidatos por assento no Legislativo vicentino). Mongaguá será a cidade com a  menor disputa proporcional: serão 168 candidatos para 13 vagas (12,9). 
Aliás, tanto Mongaguá como Peruíbe foram as únicas cidades da região que atingiram o limite de vereadores previsto pela legislação, ampliando a fixação do número de edis nos municípios com base na população. Com as alterações, cidades de menor orçamento passaram a ter câmaras generosas. Peruíbe com 60 mil habitantes, terá a partir de 2013 o mesmo número de vereadores que São Vicente, com população cinco vezes maior. E os gastos, obviamente, tendem a crescer. Alguém duvida?
A partir de 2013, a região passará a ter 128 vereadores, 17% a mais que hoje. Com mais cadeiras disponíveis, as chances teoricamente cresceriam, porém, ao que parece, a evolução foi bem maior no volume de candidatos interessados em trabalhar pelo bem da coletividade (?). Só em Santos, o crescimento foi de 54%. Afinal, todos querem garantir um lugarzinho ao sol…
Portanto, deve ser (muito) bom ser vereador, pois os salários se tornaram atrativos para os candidatos por diversas razões. Dificilmente um trabalhador de Cubatão, Guarujá e Praia Grande ganharia na iniciativa privada salários de R$ 10.021,18, como aprovados para a próxima legislatura. Aliás, valor máximo previsto na legislação para tais cidades. Em Santos, a diferença é mínima: R$ 9.938,94. O menor salário será dos vereadores bertioguenses: R$ 3.744,18.
Enfim, no vestibular do voto muitos serão os pretendentes, mas poucos os escolhidos. Os que já ocupam cargos públicos levam vantagem em razão da estrutura montada e da natural exposição pública. Mas nem sempre isso é suficiente. Por isso, leitor, é importante saber as reais intenções daqueles que sorriem hoje de olho no seu voto. E apostam na memória curta das pessoas.