Epicobs

Cidades que flexibilizaram são as que têm mais infectados, mostra pesquisa

Com a elevação de casos, o estudo é categórico: “os dados não permitem considerar a saída do isolamento social neste momento”.

20 de maio de 2020 - 13:26

Fernando De Maria

Compartilhe

A segunda fase da pesquisa Epicobs –  Epidemiologia da Covid-19 na Região Metropolitana da Baixada Santista mostra claramente que as cidades que flexibilizaram medidas de abertura de atividades comerciais foram as que mais registraram alta de moradores com anticorpos do Covid-19.

Ou seja, foram pessoas infectadas, de forma leve ou assintomática, pelo vírus.

Assim, conforme o documento elaborado por pesquisadores de universidades da Baixada Santista, a pedido da contratante da pesquisa, a Fundação Parque Tecnológico de Santos, “os dados não permitem considerar a saída do isolamento social neste momento”.

Portanto, são claros os sinais de que dificilmente a reabertura do comércio, solicitação feita por empresários e comerciantes, dificilmente ocorrerá a partir de 1º de junho.

Nesta data, há expectativa do fim da quarentena, prevista para encerrar em 30 de maio, conforme decreto estadual.

Mas os números atuais não permitem assegurar isso.

Afinal, o pico da incidência de casos ainda não ocorreu na região.

Segundo o estudo, o pior cenário ocorrerá na semana 24, com início em 7 de junho.

Tendência confirmada

A tendência já mostrava sinais no primeiro levantamento (leia reportagem), mas ficou ainda mais evidenciada nesta segunda etapa da pesquisa, divulgada nesta terça (19).

Guarujá, por exemplo, teve alta no primeiro levantamento, ocorrido no final de abril/início de maio, passando de 8 para 18 amostras positivas – representando 1/3 do total de casos registrados nesta fase.

Ao todo, foram 54 amostras positivas dentro de um universo de 2.436 pessoas que fizeram os testes clínicos, escolhidos de forma aleatória, seguindo critérios científicos.

Em números, isso significa que a cidade tem entre 2,25% a 6% da população já com anticorpos do Covid.

Ou seja, entre 7.100 a 19 mil moradores da Cidade já tiveram contato com o vírus no organismo.

Coincidência ou não, Guarujá começou a flexibilizar suas atividades comerciais em 18 de abril e só teve que voltar atrás por solicitação do Ministério Público.

Mas ainda é comum a circulação de pessoas e comércios funcionando em bairros mais afastados.

 

São Vicente

 

Situação semelhante a São Vicente, que viu uma alta de casos, passando de 10 na primeira pesquisa para 17 casos confirmados, variando de 2,04% para 1,8% a 5%.

Ou seja,  de 6.400  a 18 mil vicentinos.

A cidade, aliás, foi a primeira do litoral a flexibilizar suas atividades, no  dia 17 de abril.

Em decreto municipal, o Executivo local havia autorizado o funcionamento de estabelecimentos como lan houses, salões de beleza e lojas de cosméticos.

No entanto, houve uma explosão de estabelecimentos abertos, inclusive camelôs no centro vicentino, além de pessoas circulando na faixa de areia e orla da praia.

A Prefeitura só teve que recuar em razão de um pedido do procurador-geral de Justiça, Mário Sarrubbo, por considerar o decreto inconstitucional.

E assim, o Judiciário concedeu liminar suspendendo a liberação de atividades não essenciais no município de São Vicente durante a quarentena decretada pelo Estado para conter a disseminação da covid-19.

A Prefeitura, no entanto, prometeu que iria recorrer da decisão.

Novos exames serão repetidos com outros munícipes nos dias 27 a 29 de maio. Foto: Marcelo Martins/PMS

Um em cada 45 casos confirmados

Conforme o estudo, atualmente na região são entre 29,8 mil a 51,3 mil pessoas que já estão com o vírus do Covid-19 no organismo, com média de 40.600 pessoas.

Uma proporção de 1 caso confirmado para cada 45 habitantes da Baixada Santista.

Para se ter ideia, no Rio Grande do Sul, cuja pesquisa acabou servindo como modelo ao estudo regional (Epicobs), a proporcionalidade é de um caso confirmado a cada 454 habitantes.

Ou seja, 10 vezes mais.

Outro dado preocupante é que para cada caso confirmado outros 10 não são confirmados.

Em São Vicente, a proporção é de um caso a cada 33; enquanto Guarujá e Mongaguá, esta proporção é de um a cada 26 casos confirmados.

Cubatão tem uma proporção de um caso confirmado para cada 11 não confirmados; seguido por Santos (4/1) e Praia Grande (3/1).

Não foram constatados munícipes testados positivamente em Bertioga, Itanhaém e Peruíbe.

A nova fase de testes ocorrerá entre os dias 27 a 29 de maio.

 

LEIA TAMBÉM: